Governo do RJ diz que Witzel pediu 'máximo rigor' em investigação sobre morte de Ágatha

O governo do Rio já havia se manifestado por meio do Twitter, endossando a tese de que o episódio foi resultado de um confronto entre criminosos e policiais

Governador do Rio de Janeiro, Wilson WitzelGovernador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Em nota divulgada na tarde deste domingo (22), o governo do Rio de Janeiro afirma que o governador Wilson Witzel (PSC) "determinou máximo rigor" nas investigações sobre a morte de Ágatha Félix, 8, definida como "episódio trágico".

Quase dois dias após o crime, Witzel ainda não se manifestou diretamente sobre o assunto. Compartilhou em seu perfil no Twitter, contudo, notícias sobre o Dia Mundial Sem Carro e o aniversário de 129 anos do município de São Gonçalo. O silêncio se estende ao prefeito da cidade, Marcelo Crivella.

O governo do Rio já havia se manifestado por meio do Twitter, endossando a tese de que o episódio foi resultado de um confronto entre criminosos e policiais -defendida pela Polícia Militar e negada pela família e por populares.

Leia também:
Witzel defende que preso perca visita íntima e 'liberdade sexual'
Moradores de comunidade fazem protesto contra morte de Ágatha
Menina de oito anos morre baleada no Rio de Janeiro

Na nota enviada nesta tarde, o governo afirma que a Delegacia de Homicídios da capital, encarregada das apurações, ouvirá nesta segunda (23) policiais militares que participaram da ação que resultou na morte da menina. A corregedoria da PM também abriu procedimento para apurar a ação dos policiais.

Já foram ouvidos pela Polícia Civil parentes da menina, o motorista da kombi em que ela estava e outras testemunhas. O veículo também foi periciado.

As armas dos agentes serão recolhidas para realização de confronto balístico. O projétil retirado do corpo da menina e fragmentos foram encaminhados para exame pericial no Instituto de Criminalística Carlos Éboli, da Polícia Civil.

A data da reconstituição do crime no local onde a vítima foi baleada será definida ao longo da semana, segundo o governo. A criança foi baleada nas costas quando estava a caminho de casa em uma localidade chamada Alvorada, no alto do Complexo do Alemão.

Moradores realizaram nesta tarde deste domingo um protesto contra a morte da menina. Carregavam faixas e balões amarelos, em referência a uma fotografia de Ágatha.

Veja também

75% dos eleitores em São Paulo são contra volta às aulas, diz Datafolha
CAPITAL

75% dos eleitores em São Paulo contra volta às aulas, diz Datafolha

Jogadores trintões dominam lista de artilheiros do país na temporada
Futebol

Jogadores trintões dominam lista de artilheiros do país na temporada