Governo e associações anunciam fim da greve dos PMs no Espírito Santo

O Governo do Espírito Santo não atendeu ao pedido de reajuste, mas ficou de apresentar uma proposta de reajuste no final de abril

Policiais Militares anunciam fim da greve no Espirito SantoPoliciais Militares anunciam fim da greve no Espirito Santo - Foto: Divulgação/PMES

Associações de militares e Governo do Espírito Santo entraram em acordo para o encerramento do movimento que tirou das ruas os policiais e bombeiros militares do Espírito Santo. No documento, fica previsto o retorno para este sábado (11) as 7h, com todos os batalhões e quarteis liberados.

O Governo do Espírito Santo não atendeu ao pedido de reajuste, mas ficou de apresentar uma proposta de reajuste no final de abril deste ano, caso a apuração das contas públicas e os resultados fiscais do estado, permitam. Este índice também seria oferecido a outras categorias do serviço publico estadual.

Nesta sexta (10), a Secretaria de Segurança Pública informou que 703 PMs foram indiciados pelo crime militar de revolta, que prevê de 8 a 20 anos de prisão. Esses policiais deixarão de receber salário e escalas extras desde o sábado passado (4) até o momento em que voltarem a trabalhar. O Estado tem cerca de 10 mil PMs.
As mulheres de policiais também poderão ser responsabilizadas pela paralisação. Segundo o secretário, por solicitação do Ministério Público Federal, elas estão sendo identificadas e poderão ser indiciadas em um processo civil. Ele não informou quantas delas.

Com o motim dos policiais, o Estado do Espírito Santo passa por uma onda de violência, com registro de saques e depredações, além de 127 homicídios, segundo o Sindicato dos Policiais Civis -o governo não confirma o número.

Veja também

Governo prevê R$ 115 mi a mais para fiscalização ambiental e emprego da Força Nacional na Amazônia

Governo prevê R$ 115 mi a mais para fiscalização ambiental e emprego da Força Nacional na Amazônia

EUA, Noruega, Reino Unido e empresas lançam coalizão bilionária contra desmatamento
Cúpula do Clima

EUA, Noruega, Reino Unido e empresas lançam coalizão bilionária contra desmatamento