Governo quer participar da escolha do comando do Congresso, diz Eduardo Bolsonaro

Filho do chefe do Executivo, deputado afirma que nome do centrão é o mais provável para suceder Maia na presidência da Câmara

Eduardo BolsonaroEduardo Bolsonaro - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou que o governo do presidente Jair Bolsonaro -seu pai- pretende influenciar na escolha dos próximos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado, em fevereiro de 2021, e previu que nomes de partidos do centrão terão grandes possibilidades de vitória.

"O presidente Jair Bolsonaro sempre respeitou muito a independência dos Poderes e não participou ativamente dessa primeira eleição, desse biênio em que foi eleito o Rodrigo Maia. Atualmente, já ocorreu a maturidade para que seja necessária não a interferência, mas a participação do governo", afirmou nesta segunda-feira (1º), durante participação no congresso online do Movimento Brasil Conservador.

Segundo ele, seria justo o Poder Executivo participar da eleição dos presidentes da Câmara e do Senado. "Há uma relação direta [do governo] com os parlamentares, os deputados vão aos ministérios".

Leia também:
Projeto sobre fake news entra na pauta do Senado após perder pontos sensíveis como censura
Presidente do Congresso prorroga prazo de votação de três MPs


Instado a citar nomes que o governo poderia apoiar, Eduardo disse achar improvável que um representante da esquerda ou da direita bolsonarista tenha chance. Um deputado do centrão, indicou o filho do presidente, teria mais condições de amealhar apoio.

"Alguns nomes estão sendo ventilados. Ali dentro [da Câmara], o centrão pode ir para a esquerda ou para a direita. Eles são maleáveis suficientemente para esse ponto", disse Eduardo.

O deputado não chegou a prometer apoio do presidente a um nome do centrão e deu a entender que isso poderá ocorrer num segundo turno. "Contra a esquerda a gente vota em qualquer um."

O governo, descumprindo uma promessa de campanha, vem negociando cargos com este bloco, que reúne cerca de 200 deputados de partidos como PTB, PP, PL e Republicanos.

Eduardo citou como possíveis sucessores de Maia os deputados Artur Lira (PP-AL), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e "outras pessoas do PRB [atual Republicanos]", ressalvando que isso ainda é "conversa de corredor".

"Acredito que será eleito alguém não exatamente desse centrão, mas desse meio termo, nem do PT nem do PSL bolsonarista. É muito mais provável", afirmou.

Hoje Bolsonaro tem uma relação tensa com Maia e com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que vêm criticando as investidas do chefe do Executivo contra outros Poderes.

Eduardo afirmou que espera que os próximos presidentes das duas Casas sejam mais comprometidos com pautas conservadoras.

"Eu tenho uma pequena esperança de que na eleição do novo presidente da Câmara e do Senado, talvez esteja aí o momento de nós conseguirmos fazer uma base de deputados unidos, falando e pedindo o comprometimento para essas matérias."

Eduardo também justificou a realização de manifestações semanais em Brasília de apoio a seu pai, dizendo que há uma simbiose entre os ativistas e o presidente.

"Essas carreatas e manifestações são o que dão sustentação ao governo Bolsonaro. O governo só coloca adiante essas pautas e projetos porque sabe que essa parcela da sociedade vai defender", afirmou.

Segundo ele, "se o Bolsonaro não tivesse apoio popular, já teriam colocado o impeachment dele para a frente há muito tempo".

O deputado também criticou a CPMI das Fake News, mas desta vez não quis polemizar com o Supremo Tribunal Federal, que instaurou inquérito para apurar a disseminação de notícias falsas, atingindo aliados do governo.

"A CPMI das Fake News é uma tentativa de calar os conservadores. A internet é o espaço para a pessoa mais livremente se expressar. Ela vai ali, extravasa, fala tudo mesmo", afirmou Eduardo.

Veja também

Covid-19: Brasil tem 6 milhões de casos e quase 170 mil mortes
Coronavírus

Covid-19: Brasil tem 6 milhões de casos e quase 170 mil mortes

Ações do Carrefour caem mais de 5% após assassinato de homem negro
Beto Freitas

Ações do Carrefour caem mais de 5%