A-A+

'Há quanto tempo a gente não faz um bom filme no país?', questiona Bolsonaro

Em live nas redes sociais, Bolsonaro defendeu que sejam feitas no Brasil produções que interessem a população como um todo

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) questionou nesta quinta-feira (26) a qualidade da atual produção audiovisual brasileira e ressaltou que a chamada Cota de Tela pode ser zerada com a melhora dos filmes nacionais.

Nesta semana, o presidente renovou a Cota de Tela, medida que estabelece um número mínimo de filmes nacionais que devem ser exibidos pelas salas de cinema. A iniciativa evita que filmes estrangeiros façam ocupações predatórias.

Em live nas redes sociais, Bolsonaro defendeu que sejam feitas no Brasil produções que interessem a população como um todo, "e não as minorias". E defendeu uma diminuição gradual da Cota de Telas.

Leia também:
Bolsonaro diz que país estará em boas mãos se Moro for candidato em 2022
Juiz das garantias dificulta elucidação de casos complexos, diz parecer de Moro a Bolsonaro

"Obviamente que, fazendo bons filmes, não vamos precisar de cota mais. Há quanto tempo a gente não faz um bom filme, não é?", perguntou. "Vamos fazer filmes da história do Brasil, da nossa cultura e arte, que interessa a população como um todo e não as minorias", acrescentou.

Apesar da crítica do presidente, o cinema nacional teve reconhecimento internacional neste ano. Em maio, o Festival de Cannes, o mais importante do mundo, concedeu troféus inéditos a "Bacurau", de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, e a "A Vida Invisível", de Karim Aïnouz.

Muitos analistas creditam esse florescimento a uma série de políticas públicas implementadas no país a partir dos anos 1990, depois do "apagão" da produção nacional durante o governo de Fernando Collor, e que estão novamente em risco na atual gestão.

Ainda na live, Bolsonaro pregou que, a partir de agora, não cabe à indústria nacional fazer filmes que abordem a "questão da ideologia" e defendeu uma releitura do período da ditadura militar. Na avaliação dele, as produções sobre o assunto tinham "mentiras" sobre o passado.

"Os filmes que estamos fazendo a partir de agora não vai ter mais a questão de ideologia, aquelas mentiras todas de histórias passadas, falando do período de 1964 a 1985. É sempre fazendo a cabeça da população como se esse pessoal da esquerda foi o mais puro, ético e moral do mundo. E o resto como se fosse o resto", afirmou.
Sobre a destinação de recursos para produções nacionais, o presidente disse que não está "censurando nada", mas defendeu que não se use mais recursos públicos para a peças de audiovisual.

Veja também

PF faz ação contra fraudes em contratos do Ministério da Saúde no Rio
Operação PF

PF faz ação contra fraudes em contratos do Ministério da Saúde no Rio

PF desarticula quadrilha que extraía ouro de terra indígena no Pará
operação policial

PF desarticula quadrilha que extraía ouro de terra indígena no Pará