Há um ano do desastre em Mariana, nada de acordo

Temer ouviu as partes sobre o andamento das ações de recuperação das áreas atingidas e discutiu medidas tomadas para prevenir novos carreamentos da lama e rejeitos que estão dispersos pela região

André Campos é presidente da PerpartAndré Campos é presidente da Perpart - Foto: Mandy Oliver/Folha de Pernambuco

 

Às vésperas de a tragédia ambiental de Mariana (MG) completar um ano, o presidente Michel Temer reuniu-se ontem com os envolvidos no rompimento da barragem da mineradora Samarco, no dia 5 de novembro de 2015. O encontro, no Palácio do Planalto, teve a participação da empresa e dos governos de Minas Gerais e do Espírito Santo, que fecharam um acordo para reparar os danos, cuja homologação foi anulada em agosto.

O presidente ouviu as partes sobre o andamento das ações de recuperação das áreas atingidas e discutiu medidas tomadas para prevenir novos carreamentos da lama e rejeitos que estão dispersos pela região. Considerada a maior tragédia ambiental do país, o rompimento da barragem no distrito de Bento Rodrigues causou danos socioambientais e espalhou rejeitos como óxido de ferro e sílica por 600 quilômetros do Rio Doce e seus afluentes até chegar ao litoral.

Na semana passada, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) informou que as obras emergenciais para conter a lama de rejeitos durante o período das chuvas na região estão atrasadas. Com a mediação do Governo Federal, o acordo assinado em março deste ano para reparar os danos previa investimentos, por parte da mineradora, de cerca de R$ 20 bilhões ao longo de 15 anos.

O acordo chegou a ser homologado judicialmente, mas anulado posteriormente atendendo a pedido do Ministério Público Federal (MPF), que estima em R$ 155 bilhões os prejuízos. A validade do acordo será analisada novamente pela Justiça Federal, mas os envolvidos afirmam que seus termos continuam sendo cumpridos, entre eles o funcionamento do Comitê Interfederativo, composto por representantes de diversos órgãos.

 

Veja também

Anitta, Gagliasso, Emicida e mais famosos criticam Bolsonaro e privatização da saúde
Brasil

Anitta, Gagliasso, Emicida e mais famosos criticam Bolsonaro e privatização da saúde

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU
EM EVENTO NO RECIFE

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU