Homem é condenado por se casar com outra mulher em local pago por ex-noiva

O casal namorou por nove anos e o noivo desmarcou o enlace dois meses antes da data

O ex-noivo utilizou o contrato de aluguel de um salão de eventos, pago pela ex-noivaO ex-noivo utilizou o contrato de aluguel de um salão de eventos, pago pela ex-noiva - Foto: Márcia Galindo/Seres/divulgação

Um homem foi condenado a indenizar em R$ 13,6 mil por danos morais e materiais a ex-noiva por manter o contrato do local da festa para se casar com outra mulher, em Goiânia (GO). O casal namorou por nove anos e o noivo desmarcou o enlace dois meses antes da data. No processo, a noiva falou que foi propositalmente enganada pelo réu e que seu comportamento feriu sua dignidade, respeito e honra. Segundo ela, o ex-noivo utilizou o mesmo contrato de aluguel de um salão de eventos, pago por ela, para se casar com outra mulher. A autora do processo reclamou que, convencida pelo namorado a morar na casa dos pais dele após o casamento, também pagou parte da reforma do imóvel. Segundo ela, o gasto na obra foi o argumento que ele utilizou para adiar pela primeira vez o casamento. A mulher disse que o ex-noivo, alegando dificuldades financeiras, pediu para ela quitar todos os seus débitos e remarcou a data da festa. Após a adiar a cerimônia pela segunda vez, ela falou que o noivo passou a demonstrar desinteresse pelo compromisso. Dois meses antes do casamento, o homem rompeu o noivado.

O ex-noivo alegou que o rompimento de um casamento pode ser feito até na hora da cerimônia. Segundo a defesa, não pode haver indenização por danos morais porque "o rompimento não se deu de forma agressiva ou atentatória à dignidade humana". Outro argumento da defesa é que o réu "possui capacidade financeira" maior e que gastou muito mais que a ex-noiva. Para o juiz Carlos Magno Rocha da Silva, o rompimento da promessa de casamento não constitui motivo suficiente para indenizar a mulher por danos morais e materiais. Mas o juiz disse, após analisar o processo, que ficou claro que a decisão do réu de não se casar com a autora do processo foi amadurecida e calculada de modo intencional. O magistrado também ressaltou que não há dúvidas que, pelo comportamento e contexto das provas apresentadas, o ex-noivo extrapolou o limite do mero aborrecimento e teve potencial de atingir atributos da personalidade da noiva causando sofrimento.

Leia também:
Vítimas de Larry Nassar receberão R$ 1,8 bi em indenização
Supremo dos EUA absolve confeiteiro que negou bolo para casamento gay

"É evidente portanto que o requerido não foi leal com autora, na medida que embora se reconheça a unanimidade que o compromisso de casamento possa ser rompido por qualquer um dos cônjuges a qualquer momento, entende-se, igualmente, que a comunicação do rompimento, por lealdade e demonstração de boa-fé deve ser feita o mais breve possível, evitando maiores tormentos para o parceiro desprezado", disse o juiz. A mulher não conseguiu provar todos os gastos durante o namoro, como a reforma da casa dos pais do ex-noivo, vestido de noiva, damas de honra e convites. Os danos morais foram fixados em R$ 12 mil e os materiais em R$ 1.620 pelo aluguel do salão de festas.

Veja também

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia
Coronavírus

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia

Avião com doses da vacina de Oxford, produzida na Índia, chega ao Rio
Coronavírus

Avião com doses da vacina de Oxford, produzida na Índia, chega ao Rio