Ibama pede paralisação de novas turbinas de Belo Monte após morte de peixes

Em janeiro, cerca de uma tonelada de peixes morreram durante a realização de testes da oitava turbina da usina, no rio Xingu, no Pará

Rio Xingú, no ParáRio Xingú, no Pará - Foto: Reprodução Internet

A hidrelétrica de Belo Monte suspendeu as atividades de suas novas turbinas após uma notificação do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) à concessionária Norte Energia, feita na última sexta-feira (9). Em janeiro, cerca de uma tonelada de peixes morreram durante a realização de testes da oitava turbina da usina, no rio Xingu, no Pará. À época, os testes no local já haviam sido interrompidos.

Na última semana, o órgão ambiental decidiu barrar preventivamente os testes da nona turbina do empreendimento, tal como interromper a atividade das outras oito unidades geradoras já em operação. O órgão ambiental pediu que as turbinas não fossem mais acionadas até que um novo plano de mitigação seja elaborado e aprovado pela diretoria de licenciamento ambiental.

Leia também: 
Delatores dizem que Dilma atuou na fraude de Belo Monte
Delfim Netto é alvo de buscas da Lava Jato em investigação sobre Belo Monte

A morte dos peixes ocorre porque quando as turbinas são acionadas, os cardumes são atraídos pela correnteza formada com o início da rotação das turbinas e, quando a velocidade aumenta, eles morrem. Em uma operação normal das turbinas isso não seria um problema, já que a força da correnteza impediria a aproximação dos peixes.

A Norte Energia informou, em nota, que tem "providenciado a implantação de barreiras e outras soluções tecnológicas que evadam cardumes de peixes nas zonas próximas do tubo de sucção de Unidades Geradoras". A concessionária diz que apresentou ao Ibama dados técnicos sobre a eficiência desses dispositivos emergenciais na última sexta (9) e na segunda (12).

A empresa também destaca que não se trata de uma paralisação das unidades geradoras, e que a usina segue licenciada pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e pela ONS (Operador Nacional de Sistema).

Veja também

Enade 2019: alunos da rede privada foram maioria na avaliação, segundo Inep
Educa Mais Brasil

Enade 2019: alunos da rede privada foram maioria na avaliação, segundo Inep

Mais de 41 milhões de brasileiros estavam obesos em 2019
Saúde

Mais de 41 milhões de brasileiros estavam obesos em 2019