Imigrantes mantidos em trabalho irregular

Investigação está a cargo do Ministério Público do Trabalho em São Paulo. Estrangeiros atuavam como domésticos em residências de classe alta

Investigação do MPT-SP começou em 2014, a partir de uma denúncia anônima do Disque 100Investigação do MPT-SP começou em 2014, a partir de uma denúncia anônima do Disque 100 - Foto: Divulgação

O Ministério Público do Trabalho em São Paulo (MPT-SP) investiga um esquema de agenciamento de homens e mulheres imigrantes (vindos das Filipinas, do Chipre, de Hong Kong, de Dubai, de Cingapura e do Nepal) para trabalho doméstico em residências de classe alta no Brasil.

Segundo o MPT, 180 pessoas foram trazidas para o País por intermédio das agências estrangeiras Global Talent e SDI. Essas empresas não foram localizadas pela reportagem para falar sobre o assunto. No Brasil, os imigrantes eram conduzidos, sem contrato formal de trabalho ou garantia de direitos às famílias, que pagavam mais de R$ 10 mil às agências.

As investigações, iniciadas em 2014, mostram que os domésticos pagavam taxas superiores a US$ 2,50 mil (R$ 7 mil) às agências, com a promessa de trabalho no Brasil, recebimento de salário de R$ 2,2 mil, benefícios como décimo terceiro e bônus de horas extras. Os valores, no entanto, não eram pagos.

Além disso, as condições de trabalho eram análogas à escravidão, com maus-tratos e jornadas exaustivas, das 6h às 20h todos os dias. Alguns trabalhadores tinham de ficar à disposição 24 horas por dia. As vítimas também permaneciam no Brasil sem documentos de identificação e de imigração.

Denúncia
A agência Global Talent, cujo nome anterior era Domésticas Internacionais CMIS Brasil, foi denunciada em 2014 por ligação anônima do Disque 100. Pela denúncia, o MPT descobriu que uma mulher vinda das Filipinas recebia valor bem abaixo da remuneração prometida e teve seus documentos retidos, além de ser ameaçada de deportação caso tentasse denunciar.

Na época, a Global Talent firmou termo de ajuste de conduta (TAC) comprometendo-se a formalizar o contrato de trabalho de estrangeiros cuja mão de obra tivessem intermediado e a regularizar documentos dos trabalhadores, com obtenção de concessão de autorização de trabalho fornecida pelo Conselho Nacional de Imigração. Os domésticos teriam de receber o visto temporário ou permanente do Ministério das Relações Exteriores.

Passados três anos, porém, a fiscalização do Ministério do Trabalho flagrou as mesmas irregularidades e as investigações foram reabertas. Três filipinas que fugiram das casas onde trabalhavam recorreram à Missão Paz, instituição que é referência na capital paulista em atendimento a refugiados, e formalizaram denúncia.

Veja também

Indígenas venezuelanos refugiados farão universidade no PA
Educação

Indígenas venezuelanos refugiados farão universidade no PA

Sistema de registro de doses de vacina contra Covid têm instabilidade, dizem cidades
Vacinação

Sistema de registro de doses de vacina contra Covid têm instabilidade, dizem cidades