Incêndio destrói centro de distribuição dos Correios em Fortaleza

O fogo começou na tarde da terça-feira (13), no centro do bairro Cidade dos Funcionários

Centro de distribuição dos Correios no bairro Cidade dos Funcionários, em FortalezaCentro de distribuição dos Correios no bairro Cidade dos Funcionários, em Fortaleza - Foto: Reprodução / Google Maps

Um incêndio de grande proporção atingiu cerca de 90% do prédio do centro de distribuição dos Correios em Fortaleza. O espaço possui cerca de 8,5 mil metros quadrados (m²) e ninguém ficou ferido. O fogo começou na terça-feira (13) à tarde e foi percebido por um vigilante, que acionou o Corpo de Bombeiros.

Segundo a assessoria de comunicação da corporação, as chamas se espalharam rapidamente devido à grande quantidade de material combustível, formada pelas encomendas. Localizado no bairro Cidade dos Funcionários, o centro recebe as correspondências que chegam a Fortaleza e que são enviadas para outras localidades. A coluna de fumaça pôde ser vista em vários bairros da cidade.

Leia também:
Correios reajustam preço do serviço de despacho postal a partir de hoje
Homem fica ferido ao tentar apagar incêndio na casa dele no Arruda


Nesta madrugada, o Corpo de Bombeiros finalizava os trabalhos de combate ao incêndio, resfriando os focos de fogo.  Ainda não se sabe qual a dimensão do prejuízo nem a quantidade de encomendas afetadas. Devido ao Carnaval e à Quarta-Feira de Cinzas, os Correios não divulgaram orientações aos consumidores afetados.

No dia 2, outro incêndio atingiu o Centro de Entrega de Encomendas de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, destruindo 9 mil encomendas e 6 veículos. As pessoas que tiveram itens consumidos pelas chamas estão sendo indenizadas pelos Correios.

Veja também

Bolsonaro diz que pediu flexibilização de restrições para entrada nos EUA para estudantes
Diplomacia

Bolsonaro diz que pediu menos restrições para entrada de estudantes nos EUA

Amazônia já tem mais queimadas em 2020 do que em todo o ano passado
meio ambiente

Amazônia já tem mais queimadas em 2020 do que em todo o ano passado