Indicação do PGR deve ser votada na semana do dia 22, diz Alcolumbre

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro indicou o subprocurador-geral Augusto Aras para a função

O presidente do Senado Federal, Davi AlcolumbreO presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre - Foto: Marcos Brandão/Agência Senado

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse nesta segunda-feira (9) que a indicação do novo procurador-geral da República deve ser votada em plenário na semana do dia 22 de setembro. Como o mandato da atual procuradora-geral Raquel Dodge termina no dia 17 deste mês, o cargo deverá ser ocupado interinamente por um substituto.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro indicou o subprocurador-geral Augusto Aras para a função. A indicação passará por uma sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e depois precisa ser aprovada por maioria em plenário.

"Acho que não dá prazo [para votar até o dia 17], porque há um pedido de vista coletivo, que é natural a partir da sabatina. Deve ser na semana do dia 22", disse Alcolumbre ao chegar na vice-presidência da República para uma reunião com Hamilton Mourão, que ocupa de forma interina o comando do país com o afastamento do presidente Jair Bolsonaro para a realização de uma cirurgia.

Leia também:
Procuradores protestam e discutem boicote a cargos em futura gestão da PGR
Indicado à PGR, Aras deve fazer ressalvas à Lava Jato e abordar economia a senadores
Bolsonaro ignora lista tríplice e diz a Augusto Aras que o indicará à PGR

Pela regra, após o fim do mandato de Raquel Dodge, a PGR passará a ser comandada pelo subprocurador-geral da República Alcides Martins, que é o vice-presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF).

Veja também

Brasil registra 33.413 novos contágios e 1.031 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h
Covid-19

Brasil registra 33.413 novos contágios e 1.031 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h

Violência contra povos indígenas aumentou de 2018 para 2019, diz Cimi
violência

Violência contra povos indígenas aumentou de 2018 para 2019, diz Cimi