Indigenistas da Funai temem impacto sobre índios isolados na Amazônia

Segundo a equipe de transição do governo Bolsonaro, a Funai deverá ser deslocada, depois de mais de 30 anos sob o guarda-chuva do MJ, para o recém-criado Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos

Índios da Terra Indígena Tanaru vivem isolados na AmazôniaÍndios da Terra Indígena Tanaru vivem isolados na Amazônia - Foto: Acervo/Funai

Os indigenistas da Fundação Nacional do Índio (Funai) de um dos setores mais sensíveis do órgão, o responsável pelo tema dos índios isolados e de recente contato na Amazônia Legal, pediram em carta pública nessa quinta-feira (13) a permanência da fundação na estrutura administrativa do Ministério da Justiça. Eles chamaram a atenção sobre "garantir a vida" desses grupos indígenas.

Segundo a equipe de transição do governo Bolsonaro, a Funai deverá ser deslocada, depois de mais de 30 anos sob o guarda-chuva do MJ, para o recém-criado Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, a ser chefiado pela pastora evangélica Damares Alves.

Leia também:
Indígenas tentam reunião com Bolsonaro para pedir Funai na Justiça
Damares diz que direção da Funai pode ser decidida depois da posse

Na semana passada, ela declarou intenção de rever "política do isolamento" de indígenas, concordando com frases anteriores de Bolsonaro. "Já dá para a gente rever se isso é o melhor para o índio, a política do isolamento", disse Damares.

A carta aberta dos indigenistas foi subscrita pelos coordenadores das onze frentes etnoambientais da Funai e pelos coordenadores da CGIIRC (Coordenação-Geral de Índios Isolados e de Recente Contato) em Brasília.

Essas frentes são postos avançados da Funai em diferentes pontos da Amazônia Legal, nos quais os servidores passam semanas e meses a fio. Localizadas nos estados de Amazonas, Mato Grosso, Rondônia, Acre, Roraima e Pará, são denominadas de Awá, Cuminapanema, Médio Xingu, Waimiri-Atroari, Yanomami, Madeira-Purus, Javari, Envira, Uru-Eu-Wau-Wau, Guaporé e Madeira.

Os indigenistas explicam na carta que a política de proteção dos povos indígenas isolados e de recente contato é executada pelas frentes "com princípios emanados de nossa Constituição de 1988". "Essa política foi construída tendo por base as trágicas experiências de genocídio anteriores, passando a atuar por meio da proteção territorial e da política de não contato", diz a carta.

Antes e durante a ditadura militar (1964-1985), grupos indígenas até então isolados sofreram grandes taxas de mortalidade a partir de contatos realizados pelo governo federal.

"A defesa do território é fundamental para a garantia da vida desses povos. As Frentes de Proteção Etnoambiental atuam de forma permanente na vigilância e fiscalização desses territórios. Tais ações já provaram desde há muito sua importância para a nação brasileira, na garantia da vida dos povos isolados, na proteção dos recursos naturais e na presença constante em áreas remotas de nosso território. A exploração ilegal destes territórios, sua destruição e a morte desses povos, podem causar enormes prejuízos à nação - desde sanções econômicas internacionais ao prejuízo à nossa imagem frente ao mundo", diz o grupo de indigenistas, na carta.

Os servidores da Funai advertem que a atividade de proteção aos índios "não pode ser relegada a segundo plano ou a terceiros, nacionais ou estrangeiros". "Por conta da atuação da Funai, a política pública brasileira de proteção de povos isolados e de recente contato é hoje reconhecida como uma política pública de referência por outros países onde também há a presença destas populações.

A efetividade dessa política faz com que o Brasil continue sendo o país com o maior conjunto conhecido de povos e grupos indígenas isolados no mundo. Diante dessa relevante responsabilidade, defendemos que o Ministério da Justiça é a instância mais apropriada para o comprimento da missão institucional da Funai, sem o desmembramento de suas atribuições, e para garantia da vida dos povos indígenas isolados e de recente contato", diz a carta assinada pelos indigenistas.

Veja também

Vitória contra a Colômbia cria "casca" para a seleção brasileira, diz Tite
Copa América

Vitória contra a Colômbia cria "casca" para a seleção brasileira, diz Tite

Kleber Mendonça Filho integra o júri do Festival de Cannes
Cinema

Kleber Mendonça Filho integra o júri do Festival de Cannes