Inmetro entrega à PF primeiro lote de teste de drogas produzido no país

Eles são produzidos para reagirem a drogas com pureza elevada, como a cocaína e o composto por flunitrazepam, conhecido como Boa Noite Cinderela

Polícia FederalPolícia Federal - Foto: Divulgação/PF

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) entregou nesta sexta-feira (11) à Polícia Federal (PF) o primeiro lote de Materiais de Referência Certificados (MRCs) produzidos no Brasil. Os MRCs são padrões de análise de alta confiabilidade, que auxiliam em investigações criminais para as chamadas drogas de abuso.

Os materiais de referência transformam substâncias puras em padrões reconhecidos internacionalmente. Eles são produzidos para reagirem a drogas com pureza elevada, como a cocaína e o composto por flunitrazepam, conhecido como Boa Noite Cinderela, que é usado para adormecer pessoas que ficam, então, reféns de assaltos, golpes e ataques sexuais.

O pesquisador do Inmetro, Rodrigo Borges, responsável pela produção desses materiais, informou à Agência Brasil que o ponto de partida para a produção nacional dos MRCs foi um pedido do Ministério da Justiça, uma vez que a aquisição no exterior é muito cara.

Com a produção pelo Inmetro, o Brasil entra para o seleto grupo de países que produzem MRCs, formado por Austrália, Inglaterra e Estados Unidos sendo que desses, somente a Austrália tem padrão de qualidade similar ao brasileiro, destacou Borges.

Leia também:
Armas apreendidas podem ser doadas a órgãos de segurança pública


Ele explica que todo processo na Justiça que envolve drogas precisa de perícia e as análises que os peritos fazem exigem um padrão de referência. "Se não tiver esses materiais, um bom advogado pode derrubar o laudo do perito e implantar uma dúvida se aquele laudo é mesmo droga. Estava acontecendo muito isso. Tinha gente saindo da cadeia, sendo solto, só por conta da ausência de materiais de referência", disse.

Veja também

Corregedora vai ouvir juíza que desafia CNJ e critica máscara
Coronavírus

Corregedora vai ouvir juíza que desafia CNJ e critica máscara

Caixa é o novo operador do seguro DPVAT, diz Susep
DPVAT

Caixa é o novo operador do seguro DPVAT, diz Susep