Inquérito conclui que autor da chacina de Campinas era portador de transtorno psíquico

Autor do crime matou cinco pessoas e feriu outras três com uma pistola comprada ilegalmente

Catedral Metropolitana de Campinas após ataque que deixou cinco mortos dentro da igrejaCatedral Metropolitana de Campinas após ataque que deixou cinco mortos dentro da igreja - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O inquérito policial que investigou a chacina na Catedral Metropolitana de Campinas, ocorrida em dezembro do ano passado, concluiu que o autor dos disparos agiu sozinho e era portador de transtorno psíquico, de acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP). O inquérito policial foi relatado e já encaminhado ao fórum.

O atirador Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, matou cinco pessoas e feriu outras três com uma pistola comprada ilegalmente. De acordo com o delegado-chefe do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior (Deinter 2), José Henrique Ventura, a arma com a qual o atirador fez 22 disparos, incluindo o que tirou a própria vida, é de uso exclusivo das Forças Armadas ou Polícia Federal.

Leia também:
Autor de chacina em Campinas carregava explosivos
Comoção no enterro coletivo das vítimas de chacina em Campinas
Júri condena cinco acusados de chacina em Jaboatão


Na época do crime, a polícia apreendeu vários pertences pessoais de Euler Grandolpho em sua residência, como um notebook, um celular e um bloco de anotações. Os registros escritos mostravam, segundo Ventura, que o autor do ataque tinha pensamentos paranóicos e confusos.

Veja também

Familiares buscam cilindros de oxigênio salvar pacientes em Manaus
Pandemia

Familiares buscam cilindros de oxigênio salvar pacientes em Manaus

Estudantes podem conferir locais de prova do Enem Digital
Enem 2020

Estudantes podem conferir locais de prova do Enem Digital