INSS remarcará 6 mil perícias

Após a Medida Provisória 739 perder validade, Governo terá de rever regras do pente-fino que fazia no órgão

A deputada estadual Teresa Leitão (PT)A deputada estadual Teresa Leitão (PT) - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrá­rio (MDSA) anunciou que as perícias agendadas entre os dias 7 e 25 de novembro serão remarcadas após a Medida Provisória 739 perder a validade, na última sexta-feira, suspendendo o pente-fino que o Governo Michel Temer vinha realizando no INSS. A MP foi editada em julho com o objetivo de aperfeiçoar a gestão na concessão dos benefícios. As novas regras vigo­raram por 120 dias.

Sem sessões marcadas para esta semana, os deputados federais acabaram não votando a MP, que altera a lei sobre os planos de benefícios da Previdência Social e prevê revisão de auxílio doença e aposentadoria por invalidez. O ministério informou que 5,9 mil beneficiários agendados para este período serão contatados pela central de atendimento do INSS, por meio do telefone 135.

“Neste período, espera-se aprovação de projeto de lei em regime de urgência constitucional pelo Congresso. O pente-fino dos benefícios demonstrou excelentes resultados nesta pequena amostra de cerca de 21 mil perícias realizadas, gerando uma economia de R$ 220 milhões para o Fun­do da Previdência”, acrescentou o MDSA.

Balanço divulgado pelo governo revelou que até 31 de outubro foram realizadas 20.964 perícias e os benefícios cessados na data de realização do exame chegaram a 16.782 (80,05%). Pela legislação, o governo não pode editar duas medidas provisórias com o mes­mo tema no mesmo ano. No entanto, pode editar uma MP com outro tema e incluir no texto o pagamento do adicional por perícia aos médicos do INSS.

Consequências
Os trabalhadores que deixaram de contribuir com a Previdência Social terão mais facilidade para obter benefícios como auxílio-doença, invalidez e salário-maternidade. Com a perda da validade da Medida Provisória, as regras antigas de concessão dos benefícios voltaram a valer. Pela MP, o trabalhador que deixou de pagar ao Instituto Nacional do Seguro Social e tinha perdido a qualidade de segurado tinha de contribuir com a Previdência Social por pelo menos 12 meses para ter direito ao auxílio-doença e à aposentadoria por invalidez.

Para o salário-maternidade, a exigência era de dez contribuições. Ago­ra, bastam quatro no­vas. Em todos os casos, o trabalhador precisa quitar pelo menos 12 contribuições, somadas.

 

Veja também

Contra fuga de passageiros, transporte pós-pandemia terá que rever modelos
TRANSPORTE

Transporte pós-pandemia terá que rever modelos

Após reunião com Mourão, fundo nórdico diz que falta plano sobre desmatamento
Meio Ambiente

Após reunião com Mourão, fundo nórdico diz que falta plano sobre desmatamento