Intercept Brasil divulga primeiro áudio da série sobre as 'Mensagens Secretas da Lava Jato'

Áudio mostra o procurador Deltan Dallagnol 'aliviado' após negativa da justiça com relação a entrevista de Lula

Deltan DallagnolDeltan Dallagnol - Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil

Um mês após a primeira reportagem sobre mensagens atribuídas ao ex-juiz Sergio Moro e a membros da Lava Jato, o site The Intercept Brasil divulgou nesta terça (9) o primeiro áudio das conversas, obtido de fonte anônima a partir de dados do aplicativo Telegram.

No arquivo de som divulgado pelo Intercept, o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa, afirma que a proibição de entrevista do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Folha de S.Paulo, no ano passado, era "uma notícia boa". Desde que vieram à tona as mensagens publicadas pelo Intercept desde 9 de junho, tanto Deltan como Moro têm repetido que sempre agiram conforme a lei e que não podem garantir a veracidade dos diálogos divulgados.

Em 28 de setembro do ano passado, antes das eleições, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski autorizou a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, a entrevistar Lula na prisão. No fim do mesmo dia, a decisão foi suspensa pelo ministro Luiz Fux.

Leia também:
Moro alertou Deltan a incluir prova contra réu da Lava Jato, apontam mensagens
Moro vai tirar 5 dias de licença em meio a desgaste com mensagens

Na ocasião, ele também decidiu que, se a entrevista já tivesse sido realizada, sua divulgação seria censurada. A decisão de Fux só foi revogada em abril deste ano pelo presidente do tribunal, Dias Toffoli. Logo após a determinação de Fux, Deltan enviou em um grupo de procuradores: "URGENTE. É SEGREDO. Sobre a entrevista. Quem quer saber ouve o áudio".

No arquivo, ele dizia: "Caros, o Fux deu uma liminar suspendendo a decisão do Lewandowski que autorizava a entrevista dizendo que vai ter que esperar a decisão do plenário", disse Deltan em um grupo de procuradores. "Agora não vamos alardear isso aí, não vamos falar para ninguém. Vamos manter, ficar quieto, para evitar a divulgação o quanto for possível. Porque quanto antes divulgar isso, antes vai ter recurso do outro lado, antes isso aí vai para o plenário", acrescentou.

"O pessoal pediu para a gente não comentar publicamente e deixar que a notícia surja por outros canais pra evitar precipitar recurso de quem tem uma posição contrária a nossa. Mas a notícia é boa para terminar bem a semana depois de tantas coisas ruins e terminar bem o final de semana. Abraços, falou!"

A mensagem foi enviada após um dia de intensa troca de mensagens dos procuradores sobre o episódio. Após a liberação de Lewandowski, a procuradora Laura Tessler disse que era "revoltante".

"Lá vai o cara fazer palanque na cadeia. Um verdadeiro circo. E depois de Mônica Bergamo, pela isonomia, devem vir tantos outros jornalistas... e a gente aqui fica só fazendo papel de palhaço com um Supremo desse...".

Os procuradores passaram a discutir sobre a possibilidade de impedir a entrevista ou formas de diluir a entrevista entre vários veículos. "Plano a: tentar recurso no próprio stf, possibilidade Zero. Plano b: abrir para todos fazerem a entrevista no mesmo dia. Vai ser uma zona mas diminui a chance da entrevista ser direcionada", afirmou o procurador Januário Paludo no grupo.

Veja abaixo o áudio:

Veja também

Pessoas buscam reduzir geração de lixo e o impacto ao meio ambiente
Meio Ambiente

Pessoas buscam reduzir geração de lixo e o impacto ao meio ambiente

Apesar de pressão, sindicatos de professores não conseguem impedir reabertura de escolas no País
Educação

Apesar de pressão, sindicatos de professores não conseguem impedir reabertura de escolas no País