Jungmann diz que migração de criminosos do Rio é “plausível” e causa preocupação

Rio de Janeiro está sob intervenção federal na área de segurança pública desde a última sexta-feira

O ministro Raul Jungmann não descartou a hipótese de motivação política para o atentado a BolsonaroO ministro Raul Jungmann não descartou a hipótese de motivação política para o atentado a Bolsonaro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse nesta quinta-feira (22) que a possibilidade de migração de criminosos do Rio de Janeiro para outros estados é “plausível” e causa preocupação. O Rio está sob intervenção federal na área de segurança pública desde a última sexta-feira (16).

Raul Jungmann disse ainda que, na próxima semana, o general Walter Souza Braga Netto, nomeado interventor na área de segurança pública do Rio de Janeiro, deve apresentar à imprensa o plano detalhado de ação no estado. “Ele espera nos próximos dias apresentar. Acho que essa semana não mais, mas possivelmente no início da próxima”, disse Jungmann.

Leia também:
Jungmann e Etchegoyen afirmam que intervenção não põe democracia em risco
Senado aprova intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro


Segundo Jugmann, a migração do crime ocorre onde há maior eficácia das forças de segurança e pode se dar inclusive dentro de um mesmo estado. “É plausível [a migração do crime organizado]. Essa migração ocorre dentro do Rio de Janeiro, dentro de Pernambuco, dentro de Goiás. Onde você tem uma eficácia maior das forças de segurança, o crime em certa medida migra. Essa é uma preocupação que temos que ter e temos que cuidar para que ela não se corporifique”, disse, em entrevista a jornalistas.

Hoje, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, se reuniu com secretários de segurança pública de São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais que são vizinhos do Rio de Janeiro. “Claro que preocupa e claro que é importante ter a cooperação desses estados. Acredito que o futuro Ministério da Segurança vai se debruçar sobre isso em conjunto com esses governos”, respondeu.

Reunião do Conselho
Nesta manhã, o ministro recebeu o presidente Michel Temer e os comandantes das Forças Armadas no Ministério da Defesa para a reunião do Conselho Militar de Defesa. Segundo Jungmann, a intervenção na área de segurança no Rio de Janeiro não foi discutida durante o encontro.

Um dos temas da reunião, segundo Jungmann, foi o Orçamento de 2018, que será de cerca de R$ 13 bilhões para investimento, após o contingenciamento. Ele informou que há R$ 100 milhões reservados para operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

Após a reunião do conselho, Temer almoçou com o ministro e militares. Ao deixar o ministério, Temer deu uma rápida declaração e disse que, na reunião, ouviu uma ampla exposição sobre o trabalho das Forças Armadas.

Veja também

Prefeitura de SP pede autorização para diminuir intervalo entre dosesvacinação

Prefeitura de SP pede autorização para diminuir intervalo entre doses

Prazo para solicitar replicação do Enem termina nesta sexta-feira (3)Enem 2021

Prazo para solicitar replicação do Enem termina nesta sexta (3)