Justiça dá três dias para Eike pagar fiança de R$ 52 milhões

A decisão foi tomada nesta sexta (12), mas o prazo passa a correr a partir do momento em que Eike for notificado. O empresário deixou o presídio Bangu 9 no último dia 30 depois de passar três meses preso

Eike BatistaEike Batista - Foto: Divulgação

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, deu prazo de três dias para que o empresário Eike Batista pague a fiança de R$ 52 milhões pela concessão de prisão domiciliar.

A decisão foi tomada nesta sexta (12), mas o prazo passa a correr a partir do momento em que Eike for notificado. O empresário deixou o presídio Bangu 9 no último dia 30 depois de passar três meses preso.

Inicialmente, a fiança deveria ter sido paga até terça (9), mas o prazo foi suspenso após a defesa alegar que havia R$ 78 milhões do empresário bloqueados na Justiça do Rio por outros processos em que Eike é réu.

Bretas solicitou o resgate do dinheiro para a fiança, mas recebeu como resposta a informação de que não havia saldo suficiente para pagar os R$ 52 milhões. Na sexta, decidiu estipular novo prazo.

A defesa de Eike diz que ele está impossibilitado de pagar a fiança, já que todos os seus recursos estão bloqueados pela Justiça.

Na sexta (12), a 3ª Vara Criminal, que determinou o bloqueio em 2014, ampliou de R$ 162 milhões para R$ 900 milhões o limite total dos recursos que devem ficar à disposição da Justiça.

Em nota, a defesa diz que a decisão "implica na expropriação ilegal de todo o patrimônio de Eike Batista e, se não imediatamente revista, impossibilitará o pagamento da fiança".

Se não pagar, Eike poderá ser levado novamente à prisão. Segundo o advogado Fernando Martins, atualmente, há R$ 240 milhões do executivo bloqueados pela Justiça.

Veja também

Indígenas venezuelanos refugiados farão universidade no PA
Educação

Indígenas venezuelanos refugiados farão universidade no PA

Sistema de registro de doses de vacina contra Covid têm instabilidade, dizem cidades
Vacinação

Sistema de registro de doses de vacina contra Covid têm instabilidade, dizem cidades