Justiça libera suspeito de estupro em ônibus na avenida Paulista, em SP

Segundo a Polícia Militar, homem teria se masturbado e ejaculado sobre a jovem

Crime aconteceu dentro de um ônibus, por volta das 12h30Crime aconteceu dentro de um ônibus, por volta das 12h30 - Foto: Tania Rego/ Agência Brasil

A Justiça liberou na manhã desta quarta-feira o suspeito de estuprar uma passageira dentro de um ônibus que trafegava pela avenida Paulista, na região central de São Paulo, na tarde da última terça (29).

A decisão foi tomada em audiência de custódia no Fórum Criminal da Barra Funda, na zona Oeste da capital. Ele responderá o processo em liberdade.

Leia também
Violência contra a mulher gera prejuízo de R$ 1 bilhão para economia brasileira


O homem de 27 anos -cujo nome não foi revelado- foi preso em flagrante e estava detido no 78º DP (Jardins). Ele já teria outras cinco passagens pela polícia por suspeita de estupro, segundo o site G1.

O Caso

O crime aconteceu por volta das 12h30, próximo ao cruzamento com a alameda Joaquim Eugênio de Lima. Segundo a Polícia Militar, o homem teria se masturbado e ejaculado sobre a jovem. Com os gritos dela, o motorista fechou as portas do coletivo para evitar que ele fugisse.

O cobrador do veículo falou à rádio Jovem Pan que os demais passageiros só perceberam o que aconteceu quando a passageira gritou para que tirassem o homem de perto dela. "Eu não reparei se ela estava sonolenta ou dormindo. De repente escutei os gritos. Acho que ela nem se deu conta do que tinha acontecido até a hora que ela viu que o rapaz tinha ejaculado no pescoço dela", afirmou.

Imagens postadas nas redes sociais mostram que vários curiosos se aglomeraram ao redor do coletivo, gritando xingamentos ao suspeito. O veículo ficou fechado com o homem dentro até a chegada da polícia.

 

 

Veja também

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V
Covid-19

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V

Importação de insumo de vacinas é questão burocrática, diz Bolsonaro
Vacina

Importação de insumo de vacinas é questão burocrática, diz Bolsonaro