Justiça nega pedido de Najila para desarquivar investigação do caso Neymar

Na avaliação da juíza, o representante de Najila tentava rediscutir provas já analisadas e confirmou que o arquivamento determinado no dia 12 deste mês era fundamentado

Ministério Público se manifestou contra pedido de NajilaMinistério Público se manifestou contra pedido de Najila - Foto: Reprodução/SBT

A Justiça negou o pedido de Najila Trindade para desarquivamento do inquérito policial e retomada das investigações da acusação de estupro que ela fez contra Neymar. O advogado da modelo, Cosme Araújo, queria a reabertura do caso e uma série de medidas para retomada da apuração. O Ministério Público se manifestou contra, avaliação que prevaleceu na decisão da juíza Ana Paula Gomes Galvão Vieira de Moraes.

"Indefiro o pedido para desentranhamento da manifestação da defesa nos autos, uma vez que não vislumbro nenhum tipo de irregularidade ou impedimento", escreveu a magistrada em trecho da decisão.

Leia também:
PSG segue 'intransigente' nas negociações por Neymar
Barcelona faz nova proposta para tirar Neymar do PSG
Dybala conversa com PSG e vira peça-chave para saída de Neymar 

Em outra parte, ela ressaltou que a solicitação não atendia aos critérios legais para desarquivar uma investigação.

"Anote-se, novamente, que o desarquivamento só se faz possível com base em novas provas", justificou.

Na avaliação da juíza, o representante de Najila tentava rediscutir provas já analisadas e confirmou que o arquivamento determinado no dia 12 deste mês era fundamentado. A juíza da vara regional Sul 2 de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher também recusou outros pedidos formulados pelo advogado da modelo.

Cosme Araújo queria a retomada das investigações e a avaliação das imagens do hotel em que Najila se hospedou em Paris e onde ela alegou que teria ocorrido o crime. O advogado dela também reclamou que a defesa de Neymar anexou um documento no inquérito. Por último, não concordou com a delegada ter aproveitado um depoimento que o ex-marido de Najila deu na investigação que apura suposto furto e tentativa de extorsão e que corre em outra delegacia.

A juíza explicou que considerava as solicitações "desnecessárias". A magistrada foi inclusive mais dura que o Ministério Público, que concordou com a retirada do inquérito policial do documento apresentado pela defesa de Neymar.

"A análise da valoração do depoimento da vítima foi feita, devidamente, pelo titular da ação penal, sendo o entendimento acolhido por este Juízo quando da decisão de homologação do arquivamento. Entendo desnecessária as demais diligências requeridas pela vítima", explica a juíza em um trecho da decisão.

Veja também

AGU: nível superior vale como comprovação em concurso para nível médio
educação

AGU: nível superior vale como comprovação em concurso para nível médio

Aplicação do Enem será feita com 50% da capacidade de ocupação das salas
Educa Mais Brasil

Aplicação do Enem será feita com 50% da capacidade de ocupação das salas