Ligados a facções, 25 presos fogem de penitenciária em Salvador

Os presos fugiram durante o horário de visitas, quando parte deles é deslocada para uma área onde acontece o banho de sol

Um grupo de 25 presos fugiu no início da tarde desta segunda-feira (3) do Complexo Penitenciário da Mata Escura, o maior de Salvador. A fuga aconteceu na Unidade Especial Disciplinar, ala do complexo que abriga os detentos considerados mais perigosos, a maioria ligados a facções do tráfico de drogas.

Os presos fugiram durante o horário de visitas, quando parte deles é deslocada para uma área onde acontece o banho de sol. Eles cortaram os alambrados do pátio e fugiram por um matagal. Não há muro separando o local da área externa.

"É a quarta fuga nesta unidade em três anos. Temos reivindicado muros, guaritas com policiais e vigilância eletrônica, mas o governo não age", afirma Janias Santos, coordenador do Sinspeb, sindicato que representa os agentes penitenciários na Bahia.

Segundo os agentes, os presos que fugiram fazem parte da facção Bonde do Maluco, que atua no tráfico de drogas em bairros da periferia de Salvador. O líder da facção, Lucas Santos Almeida, conhecido como Lucas Mata Rindo, foi um dos fugitivos. Ele havia sido preso há quatro meses no Rio de Janeiro.

A Polícia Militar informou que trabalha na recaptura dos fugitivos com o grupamento aéreo e com policiais de dois batalhões na região do presídio. A secretaria estadual de Administração Penitenciária informou que vai instaurar uma sindicância para apurar o caso. Em nota, afirmou que os presos "aproveitaram a movimentação (de visitas) na unidade e a forte chuva para dificultar a percepção da fuga".
Esta é o segundo caso de fuga no presídio de Mata Escura em 2017. Em janeiro, 17 presos fugiram da Cadeia Pública de Salvador, que fica no complexo.

Veja também

Brasil tem 1.340 mortes e mais de 64 mil casos da Covid-19 registrados em 24 horas
Boletim Pandemia

Brasil tem 1.340 mortes e mais de 64 mil casos da Covid-19 registrados em 24 horas

Médica da Fiocruz chora e diz que falta de vacinas é 'absoluta incompetência' do governo Bolsonaro
Saúde

Médica da Fiocruz chora e diz que falta de vacinas é 'absoluta incompetência' do governo Bolsonaro