A-A+

Lula depõe em inquérito requisitado por Moro por ofensas a Bolsonaro

A realização do depoimento se tornou pública na tarde desta quarta, após deputados do PT questionarem a atuação de Moro no caso

LulaLula - Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prestou depoimento na manhã desta quarta-feira (19) à Polícia Federal em inquérito aberto a pedido do ministro da Justiça, Sergio Moro, com base na Lei de Segurança Nacional, por supostas ofensas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A realização do depoimento se tornou pública na tarde desta quarta, após deputados do PT questionarem a atuação de Moro no caso.

O Ministério da Justiça confirmou o pedido da investigação contra Lula, "para investigar possível crime contra a honra do Presidente da República", segundo informou a pasta, em nota.

Leia também:
Em depoimento, Lula nega favorecimento a montadoras em MP
Partidos de oposição entram com pedido de cassação do senador Flávio Bolsonaro


A investigação trata da afirmação feita por Lula de que o governo do presidente Jair Bolsonaro teria ligação com as milícias, em declaração no discurso em São Bernardo do Campo (SP) após o ex-presidente ser libertado da carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde permaneceu preso após condenação na Lava Jato.

Segundo informou o Ministério da Justiça, a fala de Lula pode ter configurado os crimes previstos no artigo 138 do Código Penal e no artigo 26 da Lei de Segurança Nacional. Ambos tratam dos crimes de calúnia e difamação.

A Lei de Segurança Nacional, editada nos últimos anos da ditadura militar, trata como crime as ofensas desse tipo praticadas contra o presidente da República ou contra os presidentes da Câmara, do Senado e do STF (Supremo Tribunal Federal).

Veja também

Ministério da Saúde já está desabilitando leitos de terapia intensiva
Coronavírus

Ministério da Saúde já está desabilitando leitos de terapia intensiva

Jovens são os que mais utilizam os serviços e-gov, mostra pesquisa
Pesquisa

Jovens são os que mais utilizam os serviços e-gov, mostra pesquisa