Maioria dos detentos em presídio do massacre de Altamira são provisórios

Cerca de 62 internos foram mortos na rebelião

Rebelião no presídio de AltamiraRebelião no presídio de Altamira - Foto: Reprodução

Palco do mais recente massacre do sistema carcerário, o Centro de Recuperação Regional de Altamira tem a maioria dos seus presos sem julgamento. O levantamento é da Defensoria Pública do Pará e não inclui a situação jurídica dos 62 internos mortos.

Atualmente, há 206 internos no presídio, parcialmente incendiado durante a rebelião da última segunda-feira (29). Desses, 120 são provisórios, 69 foram condenados e 17 têm tanto condenação quanto processos não julgados.

Na terça-feira (30), a reportagem solicitou à Secretária de Segurança Pública do Pará perfil dos presos mortos, mas não obteve resposta até a conclusão deste texto.

Leia também:
Não é resposta que um presidente dê a essas famílias, diz bispo de Altamira sobre Bolsonaro
CNJ pede informações sobre presídio em Altamira
Prisão de Altamira tem superlotação, falta de agentes e 'péssimas' condições, diz relatório do CNJ

A necropsia dos mortos foi concluída pelo IML, ou seja, já foi feita a coleta de material genético, mas apenas 27 corpos haviam sido liberados após a identificação. Nesta quinta-feira (1), o caminhão frigorífico com os corpos foi levado a um quartel da PM por questões de segurança e para desobstruir a rua.

A unidade tem capacidade para 208 internos, mas abrigava cerca de 300 presos quando houve a rebelião. Inspeção do do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no ano passado classificou as instalações como "péssimas". Além de superlotada, avaliou que "o quantitativo de agentes é reduzido frente ao número de internos custodiados".

Veja também

Na favela quase todo mundo conhece alguém que teve covid-19
Coronavírus

Na favela quase todo mundo conhece alguém que teve covid-19

Brasil fica de fora de carta em que 50 embaixadores pedem respeito aos LGBT na Polônia
Internacional

Brasil fica de fora de carta em que 50 embaixadores pedem respeito aos LGBT na Polônia