Mais de 55 toneladas de peixes mortos em lagoa no Rio

Biólogo aponta o forte calor que vem atingindo a cidade do Rio de Janeiro como umas possíveis causas do ocorrido

Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de JaneiroLagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro - Foto: Tânia Rego / Agência Brasil

A Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb) já recolheu 55,1 toneladas de peixes mortos da Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro. A informação foi divulgada por meio de nota à imprensa, que mostra a quantidade de peixes coletados da manhã de quinta-feira (20) até as 11h deste sábado (22).

Nesta semana, foi registrada uma grande mortandade de peixes na Lagoa, que é um dos principais pontos turísticos da cidade. Segundo a Secretaria Municipal de Conservação, houve uma redução dos níveis de oxigênio na água.

Um dos motivos para isso, segundo o biólogo Mario Moscatelli, especializado no estudo das lagoas do Rio, é o forte calor que vem atingindo a cidade do Rio de Janeiro nos últimos dias.

Leia também:
Calor mata mais de 20 toneladas de peixes na Lagoa Rodrigo de Freitas
Onda de calor mata pelo menos 1,5 mil na França
Verão no Hemisfério Sul começa nesta sexta à noite


De acordo com a Comlurb, quase 180 garis trabalham no local, com o apoio de quatro embarcações, para retirar os peixes mortos. Ainda segundo a empresa, o trabalho prosseguirá até que cesse a mortandade dos animais.

Veja também

Oito atletas desfalcam Santa por conta da Covid-19
Série C

Oito atletas desfalcam Santa por conta da Covid-19

Pesquisadores desenvolvem testes rápidos para diagnóstico de Covid-19
Saúde

Pesquisadores desenvolvem testes rápidos para diagnóstico de Covid-19