Marinho fala em 'missão cumprida' após novo depoimento à PF sobre suposto vazamento

O empresário disse que apresentou novas provas nesta terça e que no dia 28 deve entregar seu celular para ser periciado

O empresário Paulo Marinho O empresário Paulo Marinho  - Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Após cerca de seis horas prestando depoimento à Polícia Federal, o empresário Paulo Marinho disse nesta terça-feira (26) não ter mais nada a dizer sobre o suposto vazamento de informações da PF para o hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

"Não tenho mais nada a acrescentar na narrativa que dei desde o primeiro depoimento", disse ele ao deixar a Superintendência da PF no Rio. "Não vou continuar batendo lata nesse assunto. Minha missão está cumprida."

O empresário disse que apresentou novas provas nesta terça e que no dia 28 deve entregar seu celular para ser periciado. Afirmou ainda que foi mencionado na oitiva o celular do ex-ministro Gustavo Bebianno, morto em março, sem dar detalhes.

Leia também:
Paulo Marinho depõe e se queixa de devassa após acusações contra família Bolsonaro
Paulo Marinho depõe à PF por 5 horas sobre suposto vazamento à família Bolsonaro


Marinho prestou depoimento no inquérito que apura a suposta tentativa de interferência do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Polícia Federal.

Ao chegar pela manhã, o empresário carregava um envelope no qual se lia o versículo da Bíblia muitas vezes citado por Jair Bolsonaro: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará". Segundo Marinho, foi seu filho que fez a anotação, "em homenagem ao presidente".

Na semana passada ele já havia sido ouvido pela PF e pelo Ministério Público Federal no Rio de Janeiro sobre o suposto vazamento de informações sobre a Operação Furna da Onça.

Marinho afirmou, em entrevista à Folha de S.Paulo, que Flávio recebeu, em 2018, informação privilegiada da PF sobre investigações que atingiriam o então assessor dele, Fabrício Queiroz, e sua filha, Nathalia, que trabalhava no gabinete do então deputado federal Jair Bolsonaro em Brasília.

Ele diz ter ouvido de Flávio que a informação, repassada entre o primeiro e o segundo turno das eleições, fez com que a família Bolsonaro demitisse os dois assessores.

O senador Flávio Bolsonaro havia pedido, nesta segunda-feira (25), para acompanhar pessoalmente o depoimento desta terça, além de ter acesso depois à transcrição, mas o ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello decretou o sigilo do depoimento do empresário.

Ainda assim, o advogado de Flávio, Frederick Wassef, esteve nesta manhã no prédio da Polícia Federal no Rio para, segundo ele, requisitar acesso aos autos do inquérito sobre o suposto vazamento na Furna da Onça.

Wassef afirmou que Paulo Marinho diz mentiras e que quer desviar a atenção dos casos de supostos desvios de dinheiro na saúde do estado do Rio de Janeiro.

Veja também

Ministério Público denuncia homem preso por furto de bicicleta no Leblon
Crime

Ministério Público denuncia homem preso por furto de bicicleta no Leblon

Guedes defende fala sobre excesso de comida e lamenta 'ironia' da imprensa
Economia

Guedes defende fala sobre excesso de comida e lamenta 'ironia' da imprensa