Militares são responsáveis e sabem seu papel, diz Maia sobre declarações de Eduardo

Filho do presidente disse que Forças Armadas têm papel moderador no país

Rodrigo Maia Rodrigo Maia  - Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira (28) que os militares têm responsabilidade e sabem o seu papel, em resposta a declarações do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) de que as Forças Armadas poderiam resolver crise entre os Poderes.

Maia fez as declarações antes do início da sessão que analisa a medida provisória que prevê suspensão de contrato de trabalho e corte da jornada e do salário para socorrer empresas.

"Acredito que os militares têm responsabilidade, sabem o seu papel, sabem que o seu papel não é o papel que muitas vezes é defendido pelo deputado Eduardo Bolsonaro", afirmou Maia.

Leia também:
Em live com alvos de ação do STF, Eduardo Bolsonaro defende reação enérgica a Moraes e Celso
Eduardo Bolsonaro cita 1964 e fala em militares para pôr 'pano quente' em crise entre Poderes


Segundo o presidente da Câmara, se for alvo de representação no conselho de ética e decoro parlamentar, Eduardo poderá explicar o que quis dizer com as declarações.

"Vamos esperar mais algumas semanas para restabelecer o Conselho de Ética, e ali é o caminho adequado para esses debates", disse. Assim como outras comissões da Câmara, o Conselho de Ética não está funcionando desde que as sessões presenciais foram suspensas.

Mais cedo, Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, havia citado o golpe de 1964 como exemplo de "clamor popular" por uma intervenção dos militares para solucionar problemas entre Legislativo, Executivo e Judiciário.

Em entrevista à Rádio Bandeirantes, Eduardo afirmou que o STF (Supremo Tribunal Federal) vem interferindo no Poder Executivo e que isso poderia levar a uma insurgência por parte da população.

"E vou me valer de novo das palavras de Ives Gandra Martins: o poder moderador para reestabelecer a harmonia entre os Poderes não é o STF, são as Forças Armadas", disse Eduardo.

"Eles [Forças Armadas] vêm, põem um pano quente, zeram o jogo e, depois, volta o jogo democrático. É simplesmente isso", afirmou.

Maia também comentou declarações do presidente realizadas nesta manhã no Palácio da Alvorada. Em recado ao Supremo, criticou a investigação policial ordenada pelo STF e disparou queixas contra a corte.

"Não teremos outro dia como ontem, chega", disse, na saída do Palácio da Alvorada. "Querem tirar a mídia que eu tenho a meu favor sob o argumento mentiroso de fake news."

Em outro trecho, Bolsonaro afirmou ter em mãos as "armas da democracia". E disse que "ordens absurdas não se cumprem" e que "temos que botar limites".

Para Maia, as declarações de Bolsonaro "são muito ruins" e vão no caminho contrário da tentativa de construção de pontes implementada desde a última semana.

"As declarações de hoje vão em outro caminho, um caminho que gera insegurança, mas ao mesmo tempo há um discurso e há uma decisão prática, que o ministro [André Mendonça, da Justiça], não sei se o ministro adequado, recorreu da decisão, o que significa que respeitou a decisão do Supremo", disse o deputado.

O ministro André Mendonça (Justiça) ingressou com um pedido de habeas corpus para Abraham Weintraub (Educação) a fim de "garantir liberdade de expressão dos cidadãos".

Em reunião ministerial em 22 de abril, o ministro disse que "colocaria todos esses vagabundos na cadeia, começando no STF".

Veja também

Anvisa encerra análise de pedido de uso emergencial da Covaxin
SAÚDE

Anvisa encerra análise de pedido de uso emergencial da Covaxin

Ministério da Saúde autoriza uso da Pfizer para 2ª dose de grávidas que tomaram AstraZeneca
VACINAÇÃO

Ministério da Saúde autoriza uso da Pfizer para 2ª dose de grávidas que tomaram AstraZeneca