Ministério da Saúde enviará R$7,4 mi para tratamento da febre amarela em Minas

O Ministério da Saúde também repassará R$ 13 milhões para campanhas de vacinação em 256 municípios de cinco estados

Mosquito é responsável pela transmissão de diversas doenças, como a febre amarela e a dengueMosquito é responsável pela transmissão de diversas doenças, como a febre amarela e a dengue - Foto: Marvin Recinos/AFP

O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira (14) que vai disponibilizar R$7,4 milhões para a assistência a pacientes com febre amarela em Minas Gerais. Os recursos deverão ser empregados para custear serviços hospitalares e ambulatoriais, além de despesas emergenciais durante os próximos três meses.

O montante será repassado em parcela única e repartido entre a Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) e as secretarias de Saúde dos municípios de Teófilo Otoni, Ipatinga e Caratinga. Esta última é a segunda cidade mais afetada pelo surto, com 21 casos confirmados, atrás apenas de Ladainha (MG), que possui 26 confirmações.

Vacinação

O Ministério da Saúde também repassará R$ 13 milhões para campanhas de vacinação em 256 municípios de cinco estados - Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Bahia e São Paulo. A divisão dos recursos será proporcional à população a ser imunizada em cada cidade.

De acordo com boletim epidemiológico divulgado hoje (14) pela SES-MG, Minas Gerais já registra 992 notificações de febre amarela, das quais 57 foram descartadas e 202 são casos confirmados. Dos 169 óbitos suspeitos, 69 tiveram confirmação para a doença e o restante segue em investigação.

Além dos casos registrados em território mineiro, o Ministério da Saúde contabiliza em outros estados mais 238 notificações, das quais 32 foram confirmadas e 49 descartadas. Fora de Minas Gerais, 11 mortes já tiveram confirmação para a doença. Outras 15 continuam em investigação e duas foram descartadas.

Veja também

Conselho de Enfermagem apura denúncias de fraude na vacinação em São Paulo
Coronavirus

Conselho de Enfermagem apura denúncias de fraude na vacinação em São Paulo

Supremo decide manter em Brasília casos de Lula retirados da Lava Jato de Curitiba
STF

Supremo decide manter em Brasília casos de Lula retirados da Lava Jato de Curitiba