Brasil

Ministro da Educação ironiza reitores ao falar de tolerância e pluralidade

O ministro abriu uma crise com as federais ao indicar nesta semana que três universidades, a UnB, a UFBA e a UFF, teriam bloqueios de 30% dos recursos orçamentários por motivos ideológicos

Ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou corte de 30% nas verbas das universidades públicasMinistro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou corte de 30% nas verbas das universidades públicas - Foto: Rafael Carvalho/Divulgação Casa Civil

Após polêmica envolvendo cortes de orçamento no ensino superior federal, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, ironizou nas redes sociais os reitores de universidades federais ao falar de tolerância e pluralidade.
  
"Para quem conhece universidades federais, perguntar sobre tolerância ou pluralidade aos reitores (ditos) de esquerda faz tanto sentido quanto pedir sugestões sobre doces a diabéticos", escreveu Weintraub no Twitter na manhã desta quarta-feira, dia 1°.

O ministro abriu uma crise com as federais ao indicar nesta semana que três universidades, a UnB, a UFBA e a UFF, teriam bloqueios de 30% dos recursos orçamentários por motivos ideológicos. A iniciativa foi considerada inconstitucional por especialistas ouvidos pela Folha de S.Paulo.

Leia também:
Weintraub vai demitir secretários do MEC e trazer ex-integrante da gestão Temer
Câmara pede explicações ao MEC sobre aplicação do Enem
MEC analisa programa de fomento ao ensino médio integral


Na noite de terça-feira (30 de abril), o MEC mudou o entendimento e estendeu a todas federais o mesmo percentual de bloqueio.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, disse que os cortes a essas três instituições tinham ligação a atividades políticas ocorridas nessas unidades, o que ele havia chamado de balbúrdia, bagunça e evento ridículo. As universidades reagiram e defenderam a pluralidade de atividades dentro da universidade.

Weintraub ainda fez menção a um suposto baixo desempenho das instituições, o que não é confirmado pelos indicadores. As três federais ficaram entre as 20 melhores universidades do país na última edição do RUF (Ranking Universitário Folha).

A principal marca do discurso de Bolsonaro sobre educação é a perseguição a uma suposta doutrinação de esquerda que seria predominante nas universidades públicas, sobretudo em humanas. A luta contra o chamado marxismo cultural é a espinha ideológica do governo.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) publicou nas redes sociais que o governo reduziria investimentos nas áreas de filosofia e sociologia nas universidades. Bolsonaro retomava a mesma ideia exposta pelo ministro da Educação no dia interior. O objetivo em estudo seria, segundo o presidente, focar em áreas que gerem "retorno imediato ao contribuinte."

A Folha de S.Paulo mostrou em reportagem que a ideia tem peso mais ideológico do que prático. O número de alunos de graduação desses cursos representa 2% do total nas universidades federais, comportamento similar ao da pós-graduação.

As duas áreas registram 66 programas de mestrado e doutorado nas federais. Isso equivale a 2,5% do total de 2.509 programas nessas instituições, segundo dados da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

O cenário é o mesmo com relação ao pagamento de bolsas. Somente 1,4% dos gastos do CNPQ, agência federal de fomento à pesquisa, são direcionados à ciências sociais. Para filosofia, esse percentual é de 0,7%.

Recentemente, Bolsonaro declarou nas redes sociais que "poucas universidades têm pesquisa, e, dessas poucas, a grande parte está na iniciativa privada". O que não é verdade -as universidades públicas concentram praticamente toda produção de pesquisa no país.

Veja também

Câmara de SP aprova admissibilidade de cassação de vereador
São Paulo

Câmara de SP aprova admissibilidade de cassação de vereador

Campanhas podem aumentar adesão de jovens adultos à dose de reforço
vacina

Campanhas podem aumentar adesão de jovens adultos à dose de reforço