Ministro do STF concede liberdade provisória ao ex-goleiro Bruno

Bruno e Luiz Henrique Romão, foram condenados a 22 e 15 anos de prisão, respectivamente, pela morte e ocultação do cadáver de Eliza Samudio

Ex-goleiro Bruno foi condenado em 2010 a 22 anos de prisãoEx-goleiro Bruno foi condenado em 2010 a 22 anos de prisão - Foto: TJMG

O ministro Marco Aurélio Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), concedeu liberdade provisória ao ex-goleiro Bruno Fernandes de Souza, condenado por assassinar a amante Eliza Samudio, em 2010.

O ex-goleiro está preso na Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado), em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte. Bruno e seu amigo e braço direito, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, foram condenados, em 2013, a 22 anos e 15 anos de prisão, respectivamente, pela morte e ocultação do cadáver de Samudio.

Em junho de 2016, o ex-goleiro Bruno se casou com a dentista Ingrid Calheiros em cerimônia realizada nas dependências da Apac. Eles se conheceram durante o processo sobre o caso.

ENTENDA O CASO


O goleiro Bruno Fernandes conheceu Eliza Samudio durante um churrasco no Rio de Janeiro em maio de 2009. Meses depois, Eliza ficou grávida de Bruno Samudio. Segundo a Promotoria, ao tomar conhecimento da gestação, o goleiro "propôs um acordo financeiro" para que Eliza abortasse o feto.

Com a recusa, o goleiro Bruno passou a arcar com algumas despesas de Eliza e, em julho de 2009, ele a ameaçou de morte durante um encontro em um hotel no Rio de Janeiro. Um mês depois, eles se encontraram novamente no Rio e Bruno a agrediu fisicamente -puxando-a pelos cabelos.

Em outubro de 2009, Bruno se encontrou com Eliza e a agrediu com dois tapas no rosto dentro carro. Além de Bruno, Macarrão e um outro indivíduo não identificado entraram no veículo. Segundo a Promotoria, Bruno estava armado e a manteve prisioneira durante algumas horas. Ao deixá-la em casa, na Barra da Tijuca, Bruno a obrigou a ingerir comprimidos e um líquido desconhecido.

Eliza ficou cerca de 12 horas dopada e, quando acordou, registrou o caso na delegacia. Após o episódio, Eliza mudou-se para a casa de uma amiga em São Paulo. Em fevereiro de 2010, Eliza deu à luz Bruno Samudio e voltou a entrar em contato com o goleiro para que ele reconhecesse a paternidade de Bruno e pagasse uma pensão. Na época, Bruno era jogador do Flamengo, um dos principais clubes de futebol do país.

Em maio de 2010, Eliza foi convidada por Bruno para ir até o Rio para que eles conversassem sobre a realização do teste de DNA e sobre o pagamento de pensão alimentícia. Na ocasião, o goleiro também havia prometido dar um imóvel em Belo Horizonte (MG) a Eliza.

Eliza e o filho foram para o Rio e, em junho de 2010, foram sequestrados por Macarrão e pelo adolescente Jorge Luiz Lisboa Rosa (que estava escondido no bagageiro carro). Segundo investigações, o crime ocorreu a mando do goleiro Bruno, após acordo com Zezé e Bola. Macarrão e Rosa foram os responsáveis por buscar Eliza no hotel e levá-la ao encontro de Bruno, na Barra da Tijuca.

Durante o trajeto, Rosa deixou o porta-malas e apontou uma arma para Eliza: "Você perdeu, Eliza". Ao chegar a casa de Bruno, sua amante Fernanda Gomes de Castro auxiliou Macarrão e Rosa a manter as vítimas no cativeiro. Dayane também ajudou a vigiar Eliza no cativeiro até a sua morte no dia 10 de junho de 2010. O corpo dela nunca foi encontrado.

Veja também

Após irregularidades, vacinação contra a Covid-19 é suspensa por 24 horas em Manaus
Caos

Após irregularidades, vacinação contra a Covid-19 é suspensa por 24 horas em Manaus

Governadores pedem gesto de Bolsonaro para chegada de vacina
Coronavírus

Governadores pedem gesto de Bolsonaro para chegada de vacina