Ministro do Supremo libera investigação sobre deputada Flordelis

Suposto crime de homicídio não tem relação com mandato, diz Barroso

Deputada federal Flordelis (PSD-RJ)Deputada federal Flordelis (PSD-RJ) - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso decidiu nesta quinta-feira (1º) que o Ministério Público do Rio de Janeiro e a polícia podem prosseguir com as investigações sobre a suposta participação da deputada federal Flordelis (PSD-RJ) no assassinado de seu marido, o pastor evangélico Anderson do Carmo, ocorrido em maio deste ano.

Após iniciar a investigações, o MP enviou o caso para o Supremo por constatar o possível envolvimento da deputada no crime. Como deputados têm foro privilegiado na Corte, os promotores pediram uma manifestação sobre a continuidade das investigações na primeira instância da Justiça.

Ao decidir o caso, o ministro Barroso entendeu que o suposto crime de homicídio não tem relação com o mandato parlamentar. Dessa forma, a investigação deve continuar na primeira instância. "O foro privilegiado constitui instrumento para garantir o livre exercício de certas funções públicas, não havendo sentido em estendê-lo a crimes que, cometidos após a investidura, sejam estranhos ao exercício das respectivas funções", disse o ministro.

Leia também:
Filho mais velho de Flordelis assume ser mandante do crime
Flordelis cita calúnias e defende filhos após morte de marido
'Se for provado que foram meus filhos, eu quero saber o porquê', diz deputada Flordelis
Flordelis diz que marido assassinado tinha relação estremecida com filho

No ano passado, a Corte decidiu restringir o foro e determinou que parlamentares só podem responder a processos no STF se as acusações estiverem relacionadas com o mandato.

Veja também

Pesquisadores criam tecnologia para eliminar metal cancerígeno da água
Pesquisa

Pesquisadores criam tecnologia para eliminar metal cancerígeno da água

Ernesto cita filósofo chinês em rede social, em crítica velada à China
Postagem

Ernesto cita filósofo chinês em rede social, em crítica velada à China