Ministro promete plano nacional

De acordo com Moraes, o plano nacional de segurança coordenado pelo Ministério da Justiça foi submetido aos secretários nacionais de Segurança e vem sendo discutido desde maio

Quem Você Pensa Que Sou Quem Você Pensa Que Sou  - Foto: Reprodução/ Adorocinema

 

O Ministério da Justiça pretende lançar nesta quarta-feira (19) um novo plano nacional para combater a criminalidade e o alto índice de homicídios no País. A informação foi dada ontem pelo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, no Rio de Janeiro, após a posse do novo secretário de Segurança do estado, o delegado da Polícia Federal Roberto Sá, que assumiu no lugar de José Mariano Beltrame, que pedira demissão há uma semana.

De acordo com Moraes, o plano nacional de segurança coordenado pelo Ministério da Justiça foi submetido aos secretários nacionais de Segurança e vem sendo discutido desde maio. O programa compreenderá ações para combater homicídios e o que o ministro chamou de “criminalidade organizada”, incluindo o enfrentamento ao tráfico de drogas e de armas no Brasil. 

Nos próximos dias, a minuta do plano será apresentada aos próprios secretários, aos procuradores de Justiça e ao Ministério Público Federal para ajustes finais, antes da assinatura de protocolos de adesão. “Não é possível que o Brasil continue a conviver com 50 mil homicídios por ano”, disse.

UPPs
O novo secretário de Segurança Pública do estado do Rio de Janeiro, Roberto Sá, prometeu manter o programa das unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). “As UPPS permanecem sim, com o olhar muito mais atento, mais apurado, para fortalecermos porque a sociedade deseja”, declarou, sem descartar mudanças no projeto. “Todo o ajuste que houver necessidade será feito.”

Criadas por Beltrame há dez anos, as UPPS são questionadas por alguns setores da sociedade por não terem conseguido acabar com a criminalidade e reduzir a letalidade nas áreas onde foram implantadas, embora boa parte da população dessas comunidades deseje a permanência do programa.

 

Veja também

237 mil trabalhadores com salário reduzido têm atraso em benefício do governo
economia

237 mil trabalhadores com salário reduzido têm atraso em benefício do governo

Covid-19: Brasil tem 157,9 mil mortes e 5,43 milhões de casos
boletim

Covid-19: Brasil tem 157,9 mil mortes e 5,43 milhões de casos