Ministro suspende eventual prisão de condenado pela chacina de Unaí

As vítimas apuravam denúncias de trabalho escravo em fazendas de Unaí (MG), quando foram assassinadas

As vítimas apuravam denúncias de trabalho escravo em fazendas de Unaí (MG), quando foram assassinadasAs vítimas apuravam denúncias de trabalho escravo em fazendas de Unaí (MG), quando foram assassinadas - Foto: José Cruz/Arquivo Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio decidiu nessa terça-feira (20) suspender a eventual prisão em segunda instância do empresário Hugo Alves Pimenta, condenado a 31 anos de prisão pela participação no assassinato de três auditores fiscais do Trabalho, em 2004.

As vítimas apuravam denúncias de trabalho escravo em fazendas de Unaí (MG), quando foram assassinadas. O episódio ficou conhecido como a Chacina de Unaí. Pimenta recorre da condenação em liberdade. Os advogados sustentaram no STF que devem ser julgados em breve os últimos recursos contra a condenação e um mandado de prisão poderá ser emitido pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, segunda instância da Justiça Federal.

Leia também:
Base da Funai em terra indígena foi atacada a tiros por caçadores clandestinos
Por unanimidade, STF derrota Bolsonaro e mantém demarcação indígena na Funai
Ajufe levanta benefícios pagos nos tribunais estaduais

Prisão em segunda instância
Na decisão, Marco Aurélio atendeu pedido da defesa e entendeu que apesar de o STF ter autorizado as prisões ao fim dos recursos na segunda instância da Justiça, em 2016, o entendimento não é vinculante para todos os casos. O ministro, que é contra a prisão antecipada, também cobrou novamente o julgamento definitivo do caso pelo plenário, que foi liberado para julgamento em dezembro de 2017.

"Tempos estranhos os vivenciados nesta sofrida República! Que cada qual faça a sua parte, com desassombro, com pureza d’alma, segundo ciência e consciência possuídas, presente a busca da segurança jurídica", disse. No dia 10 de abril, o STF voltaria a julgar a questão da prisão em segunda instância definitivamente, mas o caso foi retirado de pauta pelo presidente, ministro Dias Toffoli. Não há data definida para o julgamento.

Seriam julgadas três ações declaratórias de constitucionalidade (ADCs) que tratam do cumprimento imediato de pena após a confirmação de condenação em julgamento pela segunda instância da Justiça. O relator é o ministro Marco Aurélio, que já cobrou diversas vezes o debate em plenário.

Veja também

Brasil registra 33.413 novos contágios e 1.031 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h
Covid-19

Brasil registra 33.413 novos contágios e 1.031 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h

Violência contra povos indígenas aumentou de 2018 para 2019, diz Cimi
violência

Violência contra povos indígenas aumentou de 2018 para 2019, diz Cimi