Moradores de ilha se mobilizam contra travessia de lanchas na Bahia

No fim de semana, a agência estadual reguladora dos transportes (Agerba)|autorizou que as lanchas voltassem a operar

A lancha Cavalo Marinho I tombou na manhã de quinta-feira (24) na baía de Todos-os-SantosA lancha Cavalo Marinho I tombou na manhã de quinta-feira (24) na baía de Todos-os-Santos - Foto: Lucio Tavora / AFP

Um grupo de moradores da ilha de Itaparica (BA) se mobilizou na madrugada desta segunda-feira (28) contra a possível retomada da travessia de lanchas entre a ilha e Salvador, que estão suspensas desde a última quinta-feira (24), quando o naufrágio de uma lancha matou ao menos 18 pessoas.

A expectativa dos moradores era de que às 5h da manhã as lanchas voltassem a operar para levar passageiros da ilha que trabalham em Salvador (em média, 5.000 pessoas são transportadas pelas lanchas na travessia da baía de Todos-os-Santos).
Os operadores das lanchas, no entanto, não apareceram e as embarcações nem se aproximaram do píer de embarque.

O comerciante Cladson Oliveira, 44, chegou à beira do píer às 4h30 para tentar convencer os moradores da ilha a não embarcarem nas lanchas, caso elas aparecessem. "Nós ainda precisamos de respostas do poder público e não achamos correta a retomada das viagens, como se nada tivesse acontecido".

No fim de semana, enquanto buscas ainda eram feitas por corpos de desaparecidos, a  agência estadual reguladora dos transportes ( Agerba)|autorizou que as lanchas voltassem a operar. Mas os moradores da ilha criticam a infraestrutura da travessia e exigem melhoras.

Leia também:
Naufrágio em Roraima deixa crianças e adolescentes mortos
Bombeiros retomam buscas de vítimas de naufrágio na Bahia

Pedreiro em Salvador, Aderaldo Silveira, 44, acordou cedo para estar na lancha que tradicionalmente sai às 5h30, mas encontrou o píer fechado. "Eu tenho que chegar em Salvador, não tem jeito. Se não for pela lancha, vou de ferryboat [balsas], mas aí demoro muito mais", reclama.

O sistema de balsas, maiores do que as lanchas, transportam cerca de 12 mil passageiros diariamente, mas tem ponto de embarque e de partida diferentes das lanchas, além de saírem a cada hora, enquanto as lanchas saem a cada 30 minutos.

Veja também

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V
Covid-19

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V

Importação de insumo de vacinas é questão burocrática, diz Bolsonaro
Vacina

Importação de insumo de vacinas é questão burocrática, diz Bolsonaro