Moraes manda Weintraub prestar depoimento à PF em 5 dias por defender prisão de ministros do STF

Além disso, a declaração, segundo o ministro, 'reveste-se de claro intuito de lesar a independência do Poder Judiciário e a manutenção do Estado de Direito'

Abraham Weintraub, ministro da EducaçãoAbraham Weintraub, ministro da Educação - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), mandou o ministro da Educação, Abraham Weintraub, prestar depoimento em cinco dias à Polícia Federal por ter afirmado na reunião ministerial de 22 de abril que, por ele, botaria todos na prisão, "começando pelo STF".

Moraes classificou a manifestação de Weintraub como "gravíssima" por não atingir apenas a honra dos magistrados, mas por também constituir "ameaça ilegal à segurança dos ministros do STF".

Além disso, a declaração, segundo o ministro, "reveste-se de claro intuito de lesar a independência do Poder Judiciário e a manutenção do Estado de Direito".

A decisão foi dada no âmbito do inquérito aberto pela corte em 14 de março de 2019, sem pedido da Procuradoria-Geral da República, para apurar a disseminação de fake news contra o Supremo.

Leia também:
Em recado a ataque de Weintraub, Barroso diz que 'educação não pode ser capturada pela mediocridade'
Covid-19: Moraes diz que STF dificulta descumprimento do federalismo


O ministro é o relator das investigações, que correm sob sigilo.

Moraes afirmou que a afirmação de Weintraub pode ser enquadrada nos artigos do Código Penal que tratam de injúria e difamação.

A reunião foi tornada pública por decisão do ministro Celso de Mello, que foi criticada pelo presidente Jair Bolsonaro.

O encontro foi citado por Sergio Moro em depoimento à Polícia Federal no inquérito aberto após o ex-ministro pedir demissão do Ministério da Justiça com graves acusações ao chefe do Executivo.

Moro diz saiu do governo devido à tentativa do presidente de violar a autonomia da Polícia Federal.

A reunião foi citada pelo ex-juiz da Lava Jato como um dos episódios em que foi pressionado por Bolsonaro para trocar, sem motivo, o diretor-geral da PF e o superintendente da corporação no Rio de Janeiro.

Com a divulgação do vídeo, além dos fatos relacionados ao inquérito, vieram à tona as declarações de Weintraub sobre o Supremo.

O ministro da Educação fez uma crítica ampla aos poderes em Brasília antes de dizer que, por ele, colocaria todos na prisão, começando pelo Supremo.

"Eu tinha uma visão extremamente negativa de Brasília. Brasília é muito pior do que eu podia imaginar. As pessoas aqui perdem a percepção, a empatia, a relação com o povo. Se sentem inexpugnáveis", disse.

Veja também

Polícia cumpre mandado de prisão contra ex-vereador do Rio Cristiano Girão
CASO MARIELLE FRANCO

Polícia cumpre mandado de prisão contra ex-vereador do Rio Cristiano Girão

Campanha nacional contra Bolsonaro marca nova manifestação para 7 de setembro
Protesto

Campanha nacional contra Bolsonaro marca nova manifestação para 7 de setembro