Moraes nega pedido para reconsiderar veto à nomeação de Ramagem para PF

O magistrado havia impedido a posse do delegado da PF no comando da corporação no último dia 29

Ministro do STF Alexandre de MoraesMinistro do STF Alexandre de Moraes - Foto: Wikipedia

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), negou o pedido do governo para rever a decisão que suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para a direção-geral da Polícia Federal.

O magistrado havia impedido a posse do delegado da PF no comando da corporação no último dia 29 e, nesta semana, o governo pediu a revisão da decisão. Moraes, no entanto, afirmou que, como o decreto de nomeação foi anulado, o processo perdeu o objeto e não haveria como analisar a matéria.

O presidente Jair Bolsonaro havia indicado Ramagem para chefiar a PF após Sergio Moro pedir demissão do Ministério da Justiça e Segurança Pública com a acusação de que o chefe do Executivo queria trocar o então diretor-geral da corporação, Maurício Valeixo, para interferir no trabalho do órgão.

Leia também:
Bolsonaro ignora imprensa e fala apenas com apoiadores no Palácio do Planalto
Bolsonaro pede a Moraes, do STF, reconsideração da nomeação de Ramagem para PF


O objetivo do presidente, segundo o ex-ministro, era botar alguém que tivesse contato direto na PF para que pudesse ter acesso a relatórios e inteligência e a informações sobre investigações em curso, o que é proibido pela lei.

Ramagem conheceu a família do chefe do Executivo quando fez a segurança de Bolsonaro após ser eleito presidente. De lá para cá, aproximou-se dos filhos, principalmente do vereador Carlos, que é investigado pela PF por articular um esquema de disparo de fake news.

Diante do veto, Ramagem voltou para diretoria da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), onde estava até ser nomeado para a PF. E, para comandar a Polícia Federal, Bolsonaro nomeou o braço direito de Ramagem na agência, Rolando de Souza.

Veja também

Decreto de Bolsonaro libera militares da ativa em cargos do governo por tempo indeterminado
Militares

Decreto de Bolsonaro libera militares da ativa em cargos do governo por tempo indeterminado

INSS vai pagar auxílio de R$ 550 após fim do BPC, que terá novas regras e pente-fino
Economia

INSS vai pagar auxílio de R$ 550 após fim do BPC, que terá novas regras e pente-fino