Mosquitos resistentes a zika e dengue serão soltos em Brasil e Colômbia

Injetar a bactéria em mosquitos reduz significativamente a sua capacidade de espalhar vírus, segundo pesquisas

Um fármaco usado contra hepatite C crônica seria capaz de eliminar o vírus da chikungunya e da febre amarelaUm fármaco usado contra hepatite C crônica seria capaz de eliminar o vírus da chikungunya e da febre amarela - Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Governos e filantropos anunciaram na quarta-feira (26) um plano de US$ 18 milhões para liberar mosquitos resistentes ao zika, à dengue e a outros vírus em áreas urbanas da Colômbia e do Brasil. O objetivo do programa é impulsionar os esforços de controle do mosquito usando as bactérias Wolbachia a partir do ano que vem, após a propagação alarmante do vírus zika, que pode causar malformações congênitas graves em fetos de mulheres infectadas. A Wolbachia está presente naturalmente em 60% dos insetos, mas não nos mosquitos.

Pesquisas e ensaios de campo ao longo dos últimos anos em países como Austrália, Indonésia e Vietnã mostraram que injetar a bactéria em mosquitos reduz significativamente a sua capacidade de espalhar o vírus. Entre os financiadores da iniciativa estão a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), o governo britânico, a fundação de caridade global Wellcome e a Fundação Bill e Melinda Gates. "O uso da Wolbachia para reduzir a transmissão de doenças transmitidas por mosquitos tem o potencial de reduzir significativamente o impacto na saúde global e o custo socioeconômico do zika e de outras infecções relacionadas, como a dengue e a febre amarela", disse Mike Turner, diretor em exercício de Ciência e chefe de Infecção e Imunobiologia da Wellcome.

"Esta pesquisa é essencial, uma vez que irá ajudar a medir o impacto na saúde do método Wolbachia em grandes áreas urbanas, onde estes tipos de surtos podem ter impactos tão devastadores", acrescentou. O processo de inoculação de mosquitos Aedes aegypti, que transportam o vírus, com a Wolbachia foi desenvolvido pelo Programa Eliminar a Dengue, uma colaboração internacional de pesquisa sem fins lucrativos liderada pela Universidade de Monash, na Austrália. Ensaios de campo em pequena escala começaram a ser realizados no Rio de Janeiro em 2014 e em Bello - subúrbio de Medellin, na Colômbia - em 2015.

O novo fundo vai "financiar a rápida ampliação das implantações de Wolbachia na América Latina, a partir do início de 2017", disse um comunicado dos financiadores. "A cobertura da Wolbachia será estendida por Bello e outras partes de Antioquia e agora em partes da maior área do Rio de Janeiro", acrescentou. Os cientistas dizem que vão estudar as áreas ao longo dos próximos dois ou três anos para determinar o impacto do programa na saúde humana, na esperança de que as liberações reduzam significativamente novos casos de zika, dengue e chikungunya.

Veja também

Anitta, Gagliasso, Emicida e mais famosos criticam Bolsonaro e privatização da saúde
Brasil

Anitta, Gagliasso, Emicida e mais famosos criticam Bolsonaro e privatização da saúde

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU
EM EVENTO NO RECIFE

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU