Motorista que feriu 16 e matou um bebê em acidente no Rio deixa a delegacia

A prisão foi descartada porque os exames iniciais não apontaram ingestão de álcool e outras substâncias

Antonio AnaquimAntonio Anaquim - Foto: Reprodução/ Facebook

Dezenove horas após haver atropelado 17 pessoas na Praia de Copacabana, na noite dessa quinta-feira (18), o motorista Antônio de Almeida Anaquim deixou a 12ª Delegacia de Polícia por volta das 15h30 desta sexta-feira (19) sem falar com a imprensa. Um bebê de 8 meses morreu e 16 pessoas ficaram feridas no atropelamento. O motorista responderá pela morte do bebê e lesão corporal das outras pessoas.

Anaquim foi ouvido pelo delegado da 12ª DP Gabriel Ferrando, que disse mais cedo que um possível ataque epilético no motorista é a principal linha de investigação. Até o momento, a avaliação do delegado é que o crime foi um homicídio culposo, em que não há intenção de matar.

Leia também:
Mãe da bebê atropelada diz que tudo aconteceu muito rápido
Bebê morre em atropelamento no calçadão de Copacabana; mãe fica ferida
Carro invade calçadão e atropela pedestres em Copacabana

O delegado argumentou que a legislação não prevê prisão em flagrante para casos de atropelamento em que o motorista se mantém no local do incidente. A prisão também foi descartada porque os exames iniciais não apontaram ingestão de álcool e outras substâncias, e também porque o motorista não participava de um pega.

Ferrando também considera que a alta velocidade do carro, ao que tudo indica, foi causada pela disritmia, decorrente do problema epilético.

Veja também

Elefante-marinho vira atração de surfistas e banhistas no Rio
Rio de Janeiro

Elefante-marinho vira atração de surfistas e banhistas no Rio

Em carta, técnicos do Inpe denunciam estrutura paralela de gestão e citam riscos
INPE

Em carta, técnicos do Inpe denunciam estrutura paralela de gestão e citam riscos