Na contramão do bolsonarismo, almirantes debatem fim da polarização no país

Grupo dominado por oficiais da Marinha, foi criado para fomentar discussões visando "a eliminação da polarização"

Almirante Flávio Rocha, um dos participantes do grupo, tem relações estreitas com o PlanaltoAlmirante Flávio Rocha, um dos participantes do grupo, tem relações estreitas com o Planalto - Foto: Divulgação

Um grupo dominado por oficiais da Marinha, inclusive o almirante da ativa que tem assento no Palácio do Planalto e o ex-comandante da Força à frente do Conselho da Petrobras, foi criado para fomentar discussões visando "a eliminação da polarização, tão prejudicial ao nosso país".

A definição consta no site do Personalidades em Foco, organizado no mês passado por Paulo Zottolo, que presidiu a Nivea e a Philips no Brasil e hoje é palestrante nos EUA. Nome mais civil do grupo, ele foi da turma do atual comandante da Marinha, almirante Ilques Barbosa Júnior, e deixou a Força como segundo-tenente. Sentimos a falta de um ponto de encontro para debate com militares e civis", afirmou, por telefone.

No mês de abril, participaram de webtalks fechados para convidados críticos de centro e centro-direita do governo, como o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), João Amoêdo (Novo), o governador Eduardo Leite (PSDB-RS). Na segunda (19) falará o apresentador e presidenciável Luciano Huck.

Segundo Zottolo, a "horrível polarização" motivou o grupo, que tem 12 membros fundadores, mas ele descarta qualquer intenção crítica ao Planalto. Chama a atenção a presença do almirante Flávio Rocha, secretário de Assuntos Estratégicos do governo, trazido por Jair Bolsonaro para ser um "faz-tudo" no Planalto. Ele já fez sua fala ao grupo, assim como a secretária Regina Duarte (Cultura).

Rocha é o único oficial da ativa na base do grupo. A reportagem o procurou para falar sobre o grupo, mas ele não respondeu.

Leia também:
Governo amplia nomeação de militares em cargos do Ministério da Saúde
Guedes tenta convencer militares que privatizações podem atrair R$ 150 bi

O ex-comandante Eduardo Bacellar Leal Ferreira, hoje na Petrobras, é o mais graduado integrante -ele também já fez sua exposição. A origem marinheira, presente inclusive nos motivos navais do site do grupo, transparece uma divisão que ocorre de forma surda. O governo Bolsonaro é fortemente militarizado com oriundos do Exército, Força de origem do presidente.

A Marinha entrou no núcleo duro do Planalto com um almirante de quatro estrelas, Rocha, na mexida ministerial do começo do ano. O outro oficial com a mesma patente no governo é Bento Albuquerque, ministro das Minas e Energia, que não está no Personalidades em Foco.

Ainda assim, é uma Força mais distante do governo, assim como a Força Aérea, e que cujos oficiais costumam se queixar reservadamente do protagonismo do Exército e do envolvimento político ostensivo de generais.

Há reclamações de lado a lado. No Exército, causou ciúme a operação financeira inusual do governo para dar R$ 7,6 bilhões a uma empresa da Marinha, que contratou a construção de quatro fragatas leves.

Recentemente, as fissuras provocadas pela crise política embutida na pandemia do novo coronavírus chegaram ao seviço ativo mesmo do Exército, que não é monolítico em seu apoio à presença de generais no governo.

"Nossa intenção é trazer também para a conversa membros do Exército. Na quarta (21), ouviremos o general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional)", afirmou Zottolo.

Na contramão do bolsonarismo, que prega a desqualificação dos oponentes políticos por meio de estridente atividade digital inspirada pela dita ala ideológica em torno do presidente, o grupo defende o diálogo.

"Aceitamos pontos de vista discordantes e aprendemos por meio da diversidade de conceitos. Somos um grupo de pessoas que muito se orgulha de sua origem, sem filiação partidária e sem radicalismos", afirma o grupo no site.

Foram também ouvidos jornalistas e especialistas como Nísia Lima, da Fiocruz, que falou sobre a pandemia. "Estamos buscando também gente da esquerda", afirma o empresário. O campo esquerdista no país também desconsidera o diálogo com o governo Bolsonaro, em termos similares aos do bolsonarismo.

A conversas não são gravadas, apenas frases são extraídas e divulgadas. As conversas começaram com 10 convidados, grupo hoje com 100 participantes. "Não sei como será o formato, mas devemos ter 300 integrantes até o fim do mês", disse Zottolo.

Veja também

Pacientes de Manaus chegam ao Hospital das Clínicas, da UFPE, neste sábado (23)
Coronavírus

Pacientes de Manaus chegam ao Hospital das Clínicas, da UFPE, neste sábado (23)

À frente do combate à Covid-19, presidente da Vigilância Sanitária morre vítima da doença em Manaus
Coronavírus

À frente do combate à Covid-19, presidente da Vigilância Sanitária morre vítima da doença em Manaus