Na reunião ministerial, Damares defendeu prisão de prefeitos e governadores

Assessoria de imprensa da ministra informa que contexto da fala envolve defesa dos direitos humanos e da administração publica

[610] Damares Alves[610] Damares Alves - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) defendeu a prisão de prefeitos e governadores em reunião ministerial. As declarações da ministra foram feitas na reunião do dia 22 de abril, apontada por Sergio Moro (ex-ministro da Justiça) como prova de que Jair Bolsonaro (sem partido) queria ter acesso a investigações sigilosas e interferir na Polícia Federal.

Leia também:

Bolsonaro diz que não cita Polícia Federal em vídeo

Em reunião, Bolsonaro vinculou mudança na PF do Rio à proteção de família

Defesa de Moro diz que vídeo confirma integralmente declarações sobre Bolsonaro 

A assessoria de imprensa da ministra confirmou ao UOL as falas e afirmou que Damares se manifestou dentro de um contexto de defesa dos direitos humanos e da administração pública. E que ela já defendeu esse posicionamento em outras falas, antes da reunião.

A pasta informou que Damares defende a prisão para aqueles que violarem os direitos humanos como prisões de pessoas que furem isolamento nas ruas, comerciantes algemados e agressão a idosos, e para prefeitos e governadores que desviarem verbas e cestas básicas.

A reprodução do vídeo de cerca de duas horas aconteceu nesta terça-feira (12) para partes do processo (Moro, investigadores, integrantes da Advocacia-Geral da União e Procuradoria-Geral da República). O material foi apresentado pelo governo Bolsonaro à PF (Polícia Federal), que investiga as denúncias de que o presidente queria interferir politicamente na corporação e ter acesso a investigações sigilosas. 

Veja também

Pazuello diz que tem vacina em mãos e acusa Doria de marketing
Governo

Pazuello diz que tem vacina em mãos e acusa Doria de marketing

Com salas cheias, candidatos foram impedidos de fazer Enem
Enem 2020

Com salas cheias, candidatos foram impedidos de fazer Enem