Brasil

Namorada de Lula e outros funcionários de Itaipu serão transferidos a Foz do Iguaçu

A determinação é do diretor-geral brasileiro da usina, Joaquim Silva e Luna, que foi indicado ao cargo em fevereiro pelo atual presidente Jair Bolsonaro (PSL)

Rosângela da Silva, namorada de LulaRosângela da Silva, namorada de Lula - Foto: Reprodução/Facebook

A socióloga Rosangela da Silva, namorada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, terá que trocar Curitiba por Foz do Iguaçu, a 630 km da capital, se quiser continuar trabalhando na Itaipu Binacional.

A determinação é do diretor-geral brasileiro da usina, Joaquim Silva e Luna, que foi indicado ao cargo em fevereiro pelo atual presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Rosangela e os cerca de 150 funcionários da empresa que estão lotados na capital paranaense serão transferidos para o centro de comando brasileiro da usina, em Foz do Iguaçu, no oeste do estado, em um processo que deve ocorrer de julho deste ano a 31 de janeiro de 2020.

Segundo a assessoria da empresa, a medida, anunciada na semana passada, tem como objetivo otimizar recursos. Itaipu desembolsa mensalmente R$ 208 mil com o escritório alugado em Curitiba.

Apesar de os empregados serem con tratados via CLT, o que impediria a remoção, por causa do Tratado de Itaipu, que tem natureza jurídica própria, a usina deve seguir as diretrizes de empresa pública, o que justificaria o corte de gastos. Segundo a assessoria, o impacto para os funcionários será mínimo.

Leia também:
Lula está apaixonado e quer se casar após prisão, diz ex-ministro


A mudança pode atrapalhar as visitas frequentes de Rosangela a Lula, que está preso na Superintendência da Polícia Federal (PF), em Curitiba, desde abril do ano passado.
O namoro foi revelado no sábado (18) pelo ex-ministro Luiz Carlos Bresser Pereira, em uma postagem em uma rede social. "Está apaixonado e seu primeiro projeto ao sair da prisão é se casar", disse.

Rosangela, mais conhecida pelo apelido de Janja é presença constante na chamada Vigília Lula Livre, montada em frente à PF, segundo o presidente do PT do Paraná, Dr. Rosinha.

Em vídeo gravado no local durante os protestos de um ano da prisão do político, no mês passado, ela aparece cantando a música "Apesar de Você", de Chico Buarque, com uma banda formada somente por mulheres.

Rosinha conta que conhece a socióloga de movimentos sociais desde a década de 1980 e a descreve como uma pessoa "simpática, agradável, de bom papo". "Era uma pessoa de muita luta por nossos direitos", afirma sobre a época.

Lula é viúvo há pouco mais de dois anos. A ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva morreu em fevereiro de 2017, aos 66 anos.

Em entrevista concedida à Folha de S.Paulo, em abril, o ex-presidente chegou a dizer que adoraria estar em casa com sua mulher, filhos, netos e companheiros.

CARREIRA

Rosangela é empregada da Itaipu há 14 anos e recebe salário mensal de R$ 17,5 mil atuando na área de responsabilidade social, em ações de voluntariado empresarial e de equidade de gênero. Ela entrou para o quadro de funcionários em 2005, sem processo seletivo, já que apenas no final daquele ano foi publicado o primeiro edital para contratações via concurso.

Segundo colegas que trabalharam com a socióloga na Usina Hidrelétrica Barra Grande (Baesa), em Anita Garibaldi (SC), onde ela atuou no remanejamento populacional dos atingidos de 2001 a 2003, Rosangela sempre esteve envolvida em movimentos sociais e obteve o cargo em Itaipu depois que Lula assumiu a Presidência, em 2003.

Logo no início do governo, Lula indicou o petista Jorge Samek ao cargo de diretor-geral da empresa. Ele permaneceu na função até 2017. A atual presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, também foi diretora financeira da usina de 2003 a 2006.

Em junho de 2012, Rosangela foi cedida para a Eletrobras, no Rio de Janeiro, onde atuou como na comissão de sustentabilidade da empresa. Ela retornou para a Itaipu, em Curitiba, em fevereiro de 2017.

PRISÃO DE LULA

A previsão dos advogados do petista é que ele deixe o regime fechado ainda neste ano, após ter a sua pena no caso do tríplex de Guarujá reduzida em abril pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

A decisão, tomada por unanimidade por quatro ministros, manteve a condenação do petista, mas baixou a pena de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias.
Com isso, a partir de setembro, abre-se a possibilidade de pedir a progressão para o regime semiaberto.

O petista foi condenado em primeira e segunda instância no caso do tríplex e, em primeira instância, no caso do sítio de Atibaia (SP). Neste último caso, a condenação precisa ser confirmada em segundo grau, pelo TRF da 4ª Região, para que Lula também passe a cumprir pena –isso deve ocorrer nos próximos meses.

Além disso, o ex-presidente está prestes a ser sentenciado em uma terceira ação penal em Curitiba, também na Lava Jato. Esse processo trata da aquisição de um terreno para o Instituto Lula pela Odebrecht que, segundo a acusação, foi feita com dinheiro oriundo de propina.

Além disso, o ex-presidente virou réu cinco vezes no Distrito Federal, e só uma das ações foi concluída, com a absolvição dele, em 2018, de uma acusação de tentar obstruir a Lava Jato.

Em Curitiba há pouco mais de um ano, Lula vive isolado num espaço de 15 metros quadrados no quarto andar da Superintendência da PF.

O dormitório, antes usado por policiais em viagem, não tem grades e se resume a banheiro, armário, mesa com quatro cadeiras, esteira ergométrica e um aparelho de TV com entrada USB e que só sintoniza canais abertos.

Veja também

Central de alimentos abastecerá cozinhas solidárias no Rio Grande do Sul
solidariedade

Central de alimentos abastecerá cozinhas solidárias no Rio Grande do Sul

Dengue: Minas inaugura biofábrica do método Wolbachia
Saúde

Dengue: Minas inaugura biofábrica do método Wolbachia

Newsletter