Não dependo de quem votou a favor de Aécio para ter vida política, diz Doria

O diretório municipal do PSDB estuda recorrer ao diretório nacional para que o caso de Aécio seja levado a julgamento pelo Conselho de Ética do partido

O governador João DoriaO governador João Doria - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), minimizou nesta quinta (22) a derrota política que sofreu na véspera, quando a executiva nacional do PSDB rejeitou dois pedidos de expulsão do deputado Aécio neves (PSDB-MG).

Doria, que defende a saída de Aécio e quer disputar a Presidência em 2022, disse que não depende politicamente daqueles que votaram a favor do mineiro na cúpula do partido. Foram 30 votos a favor de Aécio e apenas 4 contrários.

"Fui eleito com mais de 13 milhões de votos, eu não dependo de 34 votos [na verdade 30] para ter vida política, e muito menos o Bruno Covas, que foi eleito comigo prefeito da capital de São Paulo", disse.

Leia também:
Aécio Neves pode fazer sua defesa fora do PSDB, afirma Doria 
PSDB começa a analisar expulsão de Aécio, e tucanos buscam solução política

O prefeito de São Paulo, que busca a reeleição no ano que vem, também defende a saída de Aécio e chegou a dizer "ou eu ou ele", condicionando sua permanência no PSDB à expulsão do mineiro. Nesta quinta, ao falar com jornalistas ao lado de Doria, Covas deu a entender que não deve deixar a sigla por ora. Seu plano é insistir em tirar Aécio.

"Perdemos a batalha, mas não perdemos a guerra. Continuamos a trabalhar para que ele possa sair do PSDB", disse. O diretório municipal do PSDB estuda recorrer ao diretório nacional, órgão com mais membros do que a executiva, para que o caso de Aécio seja levado a julgamento pelo Conselho de Ética do partido.

Covas também cogita recorrer à Justiça. "Quero lamentar a decisão do PSDB, dizer que estou extremamente decepcionado com a decisão. O PSDB de Aécio definitivamente não é o meu PSDB", completou.

Os pedidos de expulsão rejeitados pela executiva do PSDB nesta quarta (21) foram formulados pelos diretórios municipal e estadual de São Paulo, controlados por Covas e Doria, respectivamente.

Relator e aliado do mineiro, o deputado Celso Sabino (PSDB-PA) apresentou parecer contrário à admissibilidade das representações. A maioria da executiva acompanhou o entendimento, travando a possibilidade de os casos avançarem para o Conselho de Ética do partido.

Se não encontrou respaldo em seu partido para a investida contra Aécio, Doria afirmou que está em sintonia com o povo brasileiro, "com aqueles que têm opinião próxima da nossa, de renovação, de decência, de modernidade e de honestidade".

"Nosso compromisso é com a população brasileira, não com 34 [na verdade 30]... Respeitamos o voto dos 34 da executiva que foram favoráveis a Aécio Neves. Eles que respondam a opinião pública por que mantiveram Aécio Neves dentro do PSDB", completou.

Presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo afirmou a decisão desta quarta é "definitiva". "O assunto Aécio Neves em relação aos fatos apresentados está encerrado", disse.

Aécio é investigado em uma série de inquéritos e se tornou réu, em abril de 2018, sob acusação de corrupção passiva e obstrução da Justiça. O deputado ainda não foi julgado.

O deputado é réu no processo relativo ao episódio em que foi gravado, em março de 2017, pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, da JBS. Aécio nega a prática de crimes e diz que o dinheiro era um empréstimo pedido a Joesley.

Veja também

75% dos eleitores em São Paulo são contra volta às aulas, diz Datafolha
CAPITAL

75% dos eleitores em São Paulo contra volta às aulas, diz Datafolha

Jogadores trintões dominam lista de artilheiros do país na temporada
Futebol

Jogadores trintões dominam lista de artilheiros do país na temporada