Não há conflito entre Senado e Câmara, diz Maia sobre pacote anticrime

Maia esteve em uma reunião do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, com o grupo de trabalho do pacote anticrime, na Câmara

Maia: estados e municípios podem ser reincluídos, se apoiarem reformaMaia: estados e municípios podem ser reincluídos, se apoiarem reforma - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que poderá “incorporar” o pacote anticrime que já tramita no Senado. O projeto da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) é idêntico ao apresentado pelo governo federal à Câmara. Sua tramitação no Senado busca acelerar a discussão do tema no Congresso, uma vez que os deputados têm priorizado a reforma da Previdência.

“Se o Senado votar antes, não tem problema. Incorpora aqui e logo em seguida vota no plenário da Câmara. Se a Câmara votar antes, o Senado continua seu trabalho depois. Não tem conflito entre o Senado e a Câmara”, disse Maia. Ele acrescentou, inclusive, que a própria senadora o consultou antes de tomar a iniciativa. “Eu disse que não [haveria problema], que o projeto era importante, que o tema era importante. Se o Senado votar na frente, ótimo. A gente vai continuar nosso trabalho, vai ajudar a gente a avançar o mais rápido possível. [O debate nas duas casas] é bom, vai inclusive construindo consenso”.

Leia também:
Bolsonaro chama Maia de 'irmão' em reencontro após crise política
Perdi condições de ser articulador da Previdência, não falo mais em número de votos, diz Maia 

Maia esteve em uma reunião do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, com o grupo de trabalho do pacote anticrime, na Câmara. Maia deixou o local após a apresentação do ministro, antes dos debates sobre o assunto. Moro saiu cerca de uma hora depois. 

O pacote apresentado pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) é, assim como o que está na Câmara, composto de três projetos. O primeiro, relatado por Marcos do Val (Cidadania-ES), propõe alterações nos códigos Penal e de Processo Penal; outro tipifica o crime de caixa 2 no Código Eleitoral, e será relatado por Marcio Bittar (MDB-AC). O terceiro projeto do pacote determina que o julgamento de crimes comuns relacionados às eleições seja feito pela Justiça comum, inclusive o de caixa 2. Esse último será relatado por Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

 

Veja também

Honda suspende produção em Manaus por pandemia e falta de insumos
Negócios

Honda suspende produção em Manaus por pandemia e falta de insumos

Saúde inclui trabalhadores da construção civil e indústria nas prioridades de vacinação
Coronavírus

Saúde inclui trabalhadores da construção civil e indústria nas prioridades de vacinação