Não torço pelo tropeço do Bolsonaro, diz Doria

o governador disse trabalhar em conjunto com o governo Bolsonaro "mesmo sem alinhamento político"

Governador de São Paulo, João Doria (PSDB) Governador de São Paulo, João Doria (PSDB)  - Foto: Divulgação

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que continua mantendo boas relações com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e com os ministros de seu governo. "Sou brasileiro e torço pelo bem do meu país. Não torço pelo tropeço do Bolsonaro", afirmou.

Ao final de uma reunião com o ministro de Relações Internacionais da França, Jean-Yves Le Drian, nesta terça-feira (30) em São Paulo, o governador disse trabalhar em conjunto com o governo Bolsonaro "mesmo sem alinhamento político".

Leia também:
Bolsonaro e Procuradoria não recorrem, e Justiça encerra processo de Adélio
Líder da Maioria confirma acordo para aposentadoria de policiais


Doria voltou a afirmar que a declaração do presidente sobre a morte do pai de Felipe Santa Cruz, presidente da OAB (Ordem Geral dos Advogados do Brasil), foi infeliz, mas que o país precisa de paz para retomar seu crescimento e aprovar as reformas da Previdência e tributária. Fernando Augusto Santa Cruz desapareceu em fevereiro de 1974, durante a ditadura militar (1964-1985).

"Um clima de confronto permanente não ajuda os brasileiros que precisam de emprego", disse o governador.

Nesta segunda-feira (29), Doria disse ser "inaceitável que um presidente da República se manifeste da forma que se manifestou em relação ao pai do presidente da OAB".

Ao reclamar sobre a atuação da entidade na investigação do caso de Adélio Bispo, autor do atentado à faca do qual foi alvo, Bolsonaro disse, nesta segunda-feira, que poderia explicar a Santa Cruz como o pai dele desapareceu durante a ditadura militar.

"Por que a OAB impediu que a Polícia Federal entrasse no telefone de um dos caríssimos advogados? Qual a intenção da OAB? Quem é essa OAB? Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Conto pra ele."

Horas depois, no mesmo dia, Bolsonaro afirmou que não foram os militares que desapareceram com o pai do presidente da entidade. Segundo o presidente, foram integrantes da Ação Popular, grupo de esquerda do qual Fernando Santa Cruz fazia parte, que desapareceram com ele.

Veja também

Governo federal investe em nova fábrica de vacinas da Fiocruz

Governo federal investe em nova fábrica de vacinas da Fiocruz

Câmara aprova programa que substitui Minha Casa Minha Vida
Programa social

Câmara aprova programa que substitui Minha Casa Minha Vida