PLANOS DE SAÚDE

Novo atendimento para o câncer

“O grande problema é que a epidemia de câncer ainda não começou no Brasil. O boom deve ser daqui a 15 anos, porque é uma doença muito ligada ao envelhecimento da população. Se o sistema já está desorganizado, imagina quando o número crescer?“

Representantes de entidades de direitos humanos entregaram documento ao vereador Carlos Gueiros (PSB)Representantes de entidades de direitos humanos entregaram documento ao vereador Carlos Gueiros (PSB) - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

BRASÍLIA (Folhapress) - A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) vai propor um novo modelo de atendimento e cuidados em relação ao câncer para a rede de planos de saúde. A ideia do projeto, que será lançado em parceria com entidades na área de oncologia, é que planos e prestadores de serviços como hospitais e clínicas adotem ações para corrigir gargalos e passem a organizar em conjunto os caminhos do paciente dentro da rede. A proposta, em caráter de testes, visa buscar meios para a aceleração do diagnóstico e do tratamento de câncer na rede suplementar, que reúne 48 milhões de usuários. Hoje, a avaliação é que esse sistema é fragmentado. O usuário fica perdido entre consultas e exames, gastando muito tempo até identificar corretamente um problema e iniciar seu tratamento.

“A maior parte dos gargalos que temos não são de acesso, mas de informação”, afirmou a diretora de desenvolvimento setorial da ANS, Martha Oliveira. “Um exemplo é o paciente que faz um exame e não vai buscar, mas o resultado era positivo, ou que faz e não sabe onde levar.”

Neste ano, a estimativa do Inca (Instituto Nacional de Câncer) é de 596 mil novos casos de câncer no País. “O grande problema é que a epidemia de câncer ainda não começou no Brasil. O boom deve ser daqui a 15 anos, porque é uma doença muito ligada ao envelhecimento da população. Se o sistema já está desorganizado, imagina quando o número crescer?“, questionou José Eduardo de Castro, consultor da Fundação do Câncer, instituição que auxilia no projeto.

Apelidada de OncoRede, a iniciativa prevê que laboratórios e clínicas criem um alerta de forma a garantir que resultados críticos cheguem a quem solicitou o exame. Também será recomendada a adoção de laudos integrados, em que o paciente deixa de receber resultados separados e passa a ter uma só avaliação compartilhada entre vários profissionais.

Veja também

Jogadores trintões dominam lista de artilheiros do país na temporada
Futebol

Jogadores trintões dominam lista de artilheiros do país na temporada

Profissionais podem se increver até 6 de outubro no CNJ Inova
justiça

Profissionais podem se increver até 6 de outubro no CNJ Inova