ONU aprova resolução sobre direitos humanos na Venezuela

O Conselho Europeu da União Europeia (UE) anunciou nesta sexta-feira que acrescentou à lista de sanções 'sete membros das forças de segurança e dos serviços de informação da Venezuela'

Crianças venezuelanasCrianças venezuelanas - Foto: Divulgação

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta sexta-feira (27), em Genebra, resolução sobre a situação dos direitos humanos na Venezuela, apresentada pelo Brasil com os países que compõem o Grupo de Lima. A informação foi divulgada em comunicado pelo Ministério das Relações Exteriores brasileiro.

Segundo a nota, a resolução expressa profunda preocupação “com a situação alarmante dos direitos humanos na Venezuela, que inclui violações contra todos os direitos humanos – civis, políticos, econômicos, sociais e culturais – no contexto da corrente crise política, econômica, política, social e humanitária” provocada pelo regime do presidente Nicolás Maduro.

“A resolução cria uma missão internacional independente de averiguação de fatos com mandato amplo e robusto, para investigar execuções extrajudiciais, desaparecimentos forçados, detenções arbitrárias, tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes ocorridos na Venezuela desde 2014, com o objetivo de garantir a responsabilização dos violadores e justiça para as vítimas”, diz a nota do Itamaraty.

O ministério reafirmou que o Brasil “condena veementemente todas as violações e abusos dos direitos humanos praticados pelo regime de Nicolás Maduro”. “Reiteramos nossa convicção de que somente o pleno restabelecimento da democracia na Venezuela permitirá vencer a crise humanitária e de direitos humanos naquele país. A investigação e punição das violações de direitos humanos praticados pelo regime [de] Maduro é passo decisivo e indispensável rumo a essa redemocratização”.

O Grupo de Lima é composto por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Paraguai, Peru e Venezuela.

Sanções

O Conselho Europeu da União Europeia (UE) anunciou nesta sexta-feira que acrescentou à lista de sanções "sete membros das forças de segurança e dos serviços de informação da Venezuela". Para dar resposta à "emergência humanitária", a UE prevê a realização de uma conferência internacional em outubro.

As medidas restritivas, anunciadas em comunicado, "passam pela proibição de viajar e pelo congelamento dos bens". O Conselho da UE incluiu na lista das sanções pessoas "envolvidas em atos de tortura e outras violações graves dos direitos humanos", das quais quatro estão associadas à morte do capitão da Marinha Rafael Acosta Arévalo.

Veja também

Ministério da Saúde receberá 8,2 milhões de doses de vacina até sexta (14)
Imunizantes

Ministério da Saúde receberá 8,2 milhões de doses de vacina até sexta (14)

STF amplia foro especial, e Kassio indica posição favorável à tese de Flávio Bolsonaro
Justiça

STF amplia foro especial, e Kassio indica posição favorável à tese de Flávio Bolsonaro