Perguntas e respostas sobre o vídeo de reunião de Bolsonaro, Moro e ministros

Presidente pediu a troca da direção da Polícia Federal no encontro, segundo ex-juiz

Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro  - Foto: Marcos Corrêa/PR

O vídeo de uma reunião de Jair Bolsonaro com ministros, no último dia 22, virou o foco da investigação que envolve a suposta tentativa de interferência do presidente na Polícia Federal.

Segundo depoimento do ex-ministro Sergio Moro, nessa reunião, que teria sido gravada, Bolsonaro pediu a substituição do diretor-geral da PF, do superintendente da corporação no Rio, solicitou acesso a relatório de inteligência e ameaçou demiti-lo caso ele não cedesse.

Leia também:
Governo recorre ao STF para não entregar vídeo de reunião com Bolsonaro citada por Moro
Vídeo de reunião citada por Moro provoca guerra de versões entre auxiliares de Bolsonaro


Veja perguntas e respostas sobre o caso.

Que reunião é essa? Por que ela é importante?
Em 22 de abril, o governo reuniu o conselho de ministros para, oficialmente, tratar do Pró-Brasil, programa de retomada da economia baseado na reativação de obras públicas.

No encontro, o presidente Jair Bolsonaro supostamente ameaçou demitir Sergio Moro, então ministro da Justiça, se ele não trocasse o diretor-geral da Polícia Federal na época, Maurício Valeixo. A reunião teria sido gravada pela EBC (Empresa Brasil de Comunicação) para uso institucional.

Em depoimento à Polícia Federal, Moro mencionou o encontro como prova de que o chefe do Executivo queria interferir no trabalho da corporação

O que Bolsonaro disse sobre o vídeo, desde as ameaças de divulgá-lo?
Antes do depoimento de Moro, o presidente chegou a afirmar que divulgaria o vídeo da reunião.

De acordo com o presidente, ele teria cobrado o ex-chefe da Justiça sobre prisões de pessoas que desrespeitam a quarentena. Depois, porém, recuou e disse que foi aconselhado a não divulgar o material

O que Moro disse sobre essa reunião?
Em seu depoimento, o ex-juiz disse que Bolsonaro cobrou, na reunião do dia 22, a troca do superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro e do diretor-geral da corporação, além de pedir relatórios de inteligência e informações da PF.

Ainda de acordo com Moro, o presidente afirmou que iria interferir em todos os ministérios e que, se não pudesse trocar o comando da polícia no Rio, substituiria o diretor-geral e o próprio ministro da Justiça.

O que dizem os participantes da reunião?
No encontro, de acordo com depoimento de Moro, o ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) discordou do presidente e disse que os relatórios de inteligência não poderiam ser fornecidos

Como está a batalha jurídica sobre a divulgação?
Na terça (5), o ministro do STF Celso de Mello, relator do caso, obrigou o governo a entregar, em 72 horas, a gravação da reunião.

No dia seguinte, a AGU (Advocacia-Geral da União) recorreu da decisão, alegando que, no encontro, podem ter sido tratados "assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado, inclusive de Relações Exteriores, entre outros". Nesta quinta (7), a AGU pediu para entregar apenas a parte referente a Moro.

O ex-ministro reiterou a necessidade da íntegra. Auxiliares de Bolsonaro divergem sobre quem esteve com o cartão de memória da filmagem. Os aliados afirmam, ainda, que o vídeo não teria captado a reunião inteira.

O que pode ocorre se a Presidência não entregá-lo ao STF?
Se o presidente da República não cumprir decisões judiciais, ele pode ser acusado de cometer crime de responsabilidade e ser alvo de processo de impeachment, de acordo com especialista.

Veja também

Em cadeia nacional, Queiroga defende vacinação e apela para que pessoas tomem a 2ª dose
VACINAÇÃO

Em cadeia nacional, Queiroga defende vacinação e apela para que pessoas tomem a 2ª dose

Covid-19: Anvisa recebe solicitação de uso de medicamento da Pfizer
Coronavírus

Covid-19: Anvisa recebe solicitação de uso de medicamento da Pfizer