PGR é contra aumento salarial para Justiça do Rio, e STF inicia julgamento

Apesar do rombo nas contas públicas, a Assembleia Legislativa aprovou o aumento em junho de 2018

Alcides Martins assumiu o comando da PGR interinamenteAlcides Martins assumiu o comando da PGR interinamente - Foto: José Cruz/Agência Brasil

Em meio à pressão do governo federal, a PGR (Procuradoria-Geral da República) e o STF (Supremo Tribunal Federal) aceleraram o julgamento de uma ação contrária ao reajuste salarial de 5% a servidores da Justiça do Rio de Janeiro.

O estado aderiu em setembro de 2017 ao RRF (regime de recuperação fiscal), quando decretou estado de calamidade financeira, para afrouxar o pagamento da dívida com a União.

São três anos sem a necessidade de repasses. Em troca, o estado deve cumprir medidas de ajuste fiscal e realizar privatizações -até agora, sem sucesso.

Leia também:
Ministério recua e descarta congelamento do salário mínimo
PGR interino confirma retorno de procuradores da Lava Jato
Alcides Martins assume PGR e anuncia retorno de membros da Lava Jato


Apesar do rombo nas contas públicas, a Assembleia Legislativa aprovou o aumento em junho de 2018. A medida beneficia também funcionários do Ministério Público e da Defensoria Pública.

O então governador Luiz Fernando Pezão (MDB) vetou a medida. Os deputados derrubaram a decisão do chefe do Executivo, que recorreu ao STF.

O relator da ação contra o reajuste, ministro Alexandre de Moraes, colocou o tema em votação no plenário virtual nesta sexta-feira (20) e já se manifestou contra a medida.

Decisão liminar (provisória) de Moraes já havia suspendido o aumento em agosto de 2018. Agora, todos os ministros deverão se posicionar até quinta-feira (26).

Ao mesmo tempo, o procurador-geral interino enviou, em uma de suas primeiras manifestações no STF, posicionamento pela inconstitucionalidade das leis que concederam o aumento.

Martins ficará no cargo até a posse de Augusto Aras, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar a PGR. Aras ainda precisa passar por sabatina no Senado.

O interino afirmou, em parecer de quarta-feira (18), que as leis do Rio desrespeitam os princípios da responsabilidade fiscal, da separação de Poderes e da unidade orçamentária por atacar o RRF do estado.

Segundo Martins, os deputados estaduais adotaram "conduta contrária ao princípio da responsabilidade fiscal, que exige probidade na gestão das contas públicas."

Ele afirma que se deve "assegurar o equilíbrio das contas públicas, maximizando as receitas originárias e derivadas e prevenindo déficits reiterados."

Martins disse que o reajuste é necessário, mas inconveniente em razão do rombo fiscal do Rio.

"[O aumento] não passa no teste da proporcionalidade em sentido estrito, porquanto as desvantagens decorrentes da medida são maiores que as vantagens obtidas", escreveu.

No dia 13 deste mês, o Conselho de Supervisão do RRF, ligado ao Ministério da Economia, recomendou a exclusão do auxílio ao Rio caso o estado descumpra as exigências do programa.

Segundo ofício do órgão, do valor de R$ 1,7 bilhão esperado em redução de despesas pelo Rio, apenas foi observado um corte de R$ 253 milhões.

Entre 2017 e 2019, as despesas de pessoal e encargos ficaram acima do estimado em R$ 1,1 bilhão.

O governo de Wilson Witzel (PSC) ainda inscreveu, em 2018, R$ 7,63 bilhões em restos a pagar, despesas que são empurradas para o ano seguinte. A previsão inicial era zero.

Na decisão em que suspendeu o reajuste, Moraes alertou para esse buraco: "É fato notório o quadro narrado na petição inicial a respeito do estado atual das finanças públicas do Estado do Rio de Janeiro, inclusive no tocante à potencial frustração de pagamentos a servidores públicos em passado recente".

Veja também

'Brasil virou cemitério e isso não ficará impune', diz Renan sobre CPI 'dar em nada'
CPI da Covid

'Brasil virou cemitério e isso não ficará impune', diz Renan sobre CPI 'dar em nada'

Sem insumo, entrega da Coronavac em junho pode sofrer impacto, diz diretor do Butantan
Vacina

Sem insumo, entrega da Coronavac em junho pode sofrer impacto, diz diretor do Butantan