Brasil

PGR pede investigação de agressões a jornalistas durante manifestação

Fotógrafo foi agredido com socos e chutes

Augusto ArasAugusto Aras - Foto: Roberto Jayme/TSE

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu nesta segunda-feira (4) ao Ministério Público do Distrito Federal que apure as agressões sofridas por jornalistas durante manifestação ocorrida no domingo (3) em Brasília. No ofício enviado ao órgão, Aras defende a responsabilização penal dos autores. Ontem

“Tais eventos, no entender deste Procurador-Geral da República, são dotados de elevada gravidade, considerada a dimensão constitucional da liberdade de imprensa, elemento integrante do núcleo fundamental do Estado Democrático de Direito”, afirmou Aras.

Leia também:
Decreto de Bolsonaro beneficia empresa de Salim Mattar
Bolsonaro antecipa mudanças após saída de Moro e infla presença militar em postos-chave


No domingo, data em que se celebrava o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, o fotógrafo Dida Sampaio, do jornal O Estado de S. Paulo, foi agredido com socos e chutes quando tentava registrar fotos do presidente Jair Bolsonaro cumprimentando os manifestantes em frente ao Palácio do Planalto. Além de Sampaio, o motorista do jornal Marcos Pereira foi derrubado com uma rasteira. Os agredidos deixaram o local escoltados pela Polícia Militar. Jornalistas de outros veículos também foram hostilizados durante o ato.

As agressões foram repudiadas por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e por entidades da sociedade civil.

Os manifestantes levavam faixas com mensagens contrárias ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal e de apoio ao presidente.

Veja também

Mudança climática ameaça fauna, flora e glaciares nos Pirineus
clima

Mudança climática ameaça fauna, flora e glaciares nos Pirineus

Policial que matou tesoureiro do PT está em Complexo Médico Penal
Prisão

Policial que matou tesoureiro do PT está em Complexo Médico Penal