PGR pede investigação de agressões a jornalistas durante manifestação

Fotógrafo foi agredido com socos e chutes

Augusto ArasAugusto Aras - Foto: Roberto Jayme/TSE

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu nesta segunda-feira (4) ao Ministério Público do Distrito Federal que apure as agressões sofridas por jornalistas durante manifestação ocorrida no domingo (3) em Brasília. No ofício enviado ao órgão, Aras defende a responsabilização penal dos autores. Ontem

“Tais eventos, no entender deste Procurador-Geral da República, são dotados de elevada gravidade, considerada a dimensão constitucional da liberdade de imprensa, elemento integrante do núcleo fundamental do Estado Democrático de Direito”, afirmou Aras.

Leia também:
Decreto de Bolsonaro beneficia empresa de Salim Mattar
Bolsonaro antecipa mudanças após saída de Moro e infla presença militar em postos-chave


No domingo, data em que se celebrava o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, o fotógrafo Dida Sampaio, do jornal O Estado de S. Paulo, foi agredido com socos e chutes quando tentava registrar fotos do presidente Jair Bolsonaro cumprimentando os manifestantes em frente ao Palácio do Planalto. Além de Sampaio, o motorista do jornal Marcos Pereira foi derrubado com uma rasteira. Os agredidos deixaram o local escoltados pela Polícia Militar. Jornalistas de outros veículos também foram hostilizados durante o ato.

As agressões foram repudiadas por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e por entidades da sociedade civil.

Os manifestantes levavam faixas com mensagens contrárias ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal e de apoio ao presidente.

Veja também

Anvisa encerra análise de pedido de uso emergencial da Covaxin
SAÚDE

Anvisa encerra análise de pedido de uso emergencial da Covaxin

Ministério da Saúde autoriza uso da Pfizer para 2ª dose de grávidas que tomaram AstraZeneca
VACINAÇÃO

Ministério da Saúde autoriza uso da Pfizer para 2ª dose de grávidas que tomaram AstraZeneca