Polícia prende enfermeira acusada de tentar matar bebês no Rio

Enfermeira, de 41 anos, foi flagrada por câmeras de segurança em uma UTI neonatal, quando supostamente teria cortado cateteres que alimentavam recém-nascidos

Delegada da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), Juliana Emerique Delegada da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), Juliana Emerique  - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Uma enfermeira foi presa pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, acusada de tentar matar três bebês. A profissional, de 41 anos, foi flagrada por câmeras de segurança em uma UTI neonatal, quando supostamente teria cortado cateteres que alimentavam recém-nascidos.

“Na apuração preliminar, observou-se que os recém-nascidos foram expostos aos riscos iminentes de hipoglicemia e de contraírem infecção de corrente sanguínea relacionada ao cateter, que levariam à morte”, informou a Polícia Civil, em nota divulgada nesta quinta-feira (3).

Leia também:
Padrasto é preso após espancar e matar criança de menos de 2 anos
Presos mãe e padrasto suspeitos pela morte de bebê após estupro no Agreste


A enfermeira foi presa ontem (2), por policiais da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima, comandada pela delegada Juliana Emerique.

“A investigação começou no início de fevereiro, por provocação do próprio hospital que, em sindicância interna, verificou ruptura manual do cateteres desses recém-nascidos. Para nossa surpresa, em uma das imagens, nós pudemos verificar que a enfermeira cortou um cateter de medicação de um recém-nascido. Então, verificamos que não foi um mero descuido”, disse a delegada Juliana.

A enfermeira responderá por tentativas de homicídio qualificado. A polícia continuará ouvindo novas testemunhas, para saber se ocorreram casos semelhantes em outros locais em que a enfermeira trabalhou.

Veja também

Cartilha explica leis trabalhistas do Brasil para imigrantes
INFORMATIVO

Cartilha explica leis trabalhistas do Brasil para imigrantes

Professor prende pé de aluno em cadeira com fita adesiva em escola pública no Espírito Santo
MÁ CONDUTA

Professor prende pé de aluno em cadeira com fita adesiva em escola pública no Espírito Santo