Polícia prende quatro homens com 2 mil munições para fuzil no Rio

PRF informou que essas pessoas seriam responsáveis pela distribuição dos cartuchos em favelas cariocas

Policiais e bandidos trocam tiros em Copacabana e pedestre é baleadoPoliciais e bandidos trocam tiros em Copacabana e pedestre é baleado - Foto: Reprodução/Wikipédia

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Polícia Civil apreenderam no Rio de Janeiro um carregamento com 2 mil munições para fuzil durante uma ação conjunta realizada nesta sexta (6) que desarticulou uma quadrilha de traficantes. Segundo a PRF, foram presas quatro pessoas suspeitas de fazer parte de uma organização criminosa que opera tráfico de munição entre os estados de Mato Grosso do Sul e do Rio de Janeiro. A PRF informou que essas pessoas seriam responsáveis pela distribuição dos cartuchos em favelas cariocas.

Na operação, que contou com equipes da PRF e da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) da Polícia Civil, foram capturados dois homens que estavam em um quiosque na Avenida Atlântica, na praia de Copacabana, zona sul do Rio, e mais dois no bairro de Cordovil, zona norte da cidade. Neste caso, as prisões ocorreram quando o carregamento de milhares de munições era entregue para o responsável pela distribuição.

Leia também:
Governo vai liberar crédito extraordinário para intervenção no Rio de Janeiro
Rio de Janeiro tem violência espalhada e mais 'visível'


Ainda na operação, com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil, foi apreendido um carro roubado que estava com a quadrilha. Com auxílio de cães farejadores, foi possível encontrar os cartuchos que estavam escondidos no assoalho do veículo. Conforme a PRF, havia 2 mil munições de calibre 5,56 mm.

A PRF informou também que três dos presos são de Novo Mundo, município de Mato Grosso do Sul, e seriam responsáveis pela logística do transporte das munições para o Rio de Janeiro. De acordo com o órgão, todos têm antecedentes criminais por crimes como tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo, roubo majorado, receptação e contrabando.

Veja também

Denúncias contra direitos humanos podem ser feitas via WhatsApp
Redes Sociais

Denúncias contra direitos humanos podem ser feitas via WhatsApp

Operação Ábdito da PF apura morte de indígenas em Roraima
Investigação

Operação Ábdito da PF apura morte de indígenas em Roraima