Políticos reagem a pedido de demissão de Sergio Moro

O ex-ministro da Justiça anunciou à saída do cargo na manhã desta sexta-feira (24)

Ex-ministro da Justiça, Sérgio MoroEx-ministro da Justiça, Sérgio Moro - Foto: Evaristo Sa / AFP

O pedido de demissão do agora ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, anunciado na manhã desta sexta-feira (24) repercutiu imediatamente no cenário político nacional. Várias figuras políticas reagiram, em sua maioria, negativamente ao pedido de demissão de Moro.

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso fez uma publicação mostrando-se favorável ao impeachment de Bolsonaro. "É hora de falar. Pr está cavando sua fossa. Que renuncie antes de ser renunciado. Poupe-nos de, além do coronavírus, termos um longo processo de impeachment. Que assuma logo o vice para voltarmos ao foco: a saúde e o emprego. Menos instabilidade, mais ação pelo Brasil."

Para muitos, a saída de Moro do cargo, não é benéfica ao contexto atual. O ex-ministro da Saúde, Luís Henrique Mandetta, exonerado na última semana, publicou no twitter uma mensagem de apoio e agradecimento à Moro. “O trabalho realizado sempre foi técnico. Durante a epidemia trabalhamos mais próximos, sempre pensando no bem comum. Parabéns pelo trabalho Ministro @SF_Moro. O país agradece! Outras lutas virão!”

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), também se manifestou nas redes sociais. Em mensagem publicada Witzel declarou tristeza com a saída do ministro e expressou que o governo sempre estará de “portas abertas” para o colega. “Assisto com tristeza ao pedido de demissão do meu ex-colega, o Juiz Federal Sergio Moro, cujos princípios adotamos em nossa vida profissional com uma missão: o combate ao crime. Ficaria honrado com sua presença em meu governo porque aqui, vossa excelência, tem carta branca sempre."

Leia também:
Moro cita troca da PF em PE no radare Paulo Câmara vê "ameaça"
Demissão de Moro é começo do fim, diz líder da bancada da bala

O Governador de Pernambuco, Paulo Câmar (PSB),  se manifestou no Twitter após o estado ser incluído no discurso de Moro, no qual foi anunciado uma possível troca no comando da PF de Pernambuco. "A saída do Ministro Moro evidencia a instabilidade do governo federal, mas preocupa também por outra revelação contundente: a ameaça de ingerência política nas ações policiais".

A maioria das publicações em torno da demissão de Moro não foi positiva. Algumas personalidades políticas, como o deputado federal Túlio Gadelha (PDT) assistiram a saída de Moro como estratégica e planejada. “Moro está prestes a deixar o Governo Bolsonaro para se lançar na política. Qual a novidade? Cego é quem nunca enxergou os interesses políticos de Sérgio Moro.”

O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede), publicou que esse desfecho já era esperado e que teria sido um equívoco Moro aceitar o cargo de Ministro. “Moro tinha dois caminhos p/ escolher e optou servir ao governo mais atrapalhado da história e que não é imune à corrupção! Nós avisamos, nós sabíamos. A interferência na autonomia da Polícia Federal foi só mais um sintoma da doença que é esse governo!”.

Em uma outra publicação criticando o Governo Federal, Randolfe informou que ainda nesta sexta entrará com um pedido de impeachment do presidente Jair Bolsonaro tomando como base as denúncias realizadas pelo ex-ministro durante o seu discurso de demissão.

Duras críticas foram destiladas à Bolsonaro por causa da saída de Moro. A deputada federal Marília Arraes (PT) manifestou no Twitter sua indignação com o presidente. “Bolsonaro tem desprezo pela ética e qualquer atitude republicana. A saída de Moro evidencia sua intenção fazer da Presidência da República o quintal da sua casa, proteger aliados, perseguir adversários e afundar o país. Mas a cada dia fica mais claro que não conseguirá.”

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) também ligou a demissão de Moro à uma má gestão presidencial. “A entrevista do Moro deixou claro que Bolsonaro quer transformar a Polícia Federal numa polícia política a serviço do clã presidencial. Ele não está intervindo para enfrentar criminosos, quer somente blindar a família e as suas relações com o crime organizado.”


Veja também

Ministério da Saúde autoriza uso da Pfizer para 2ª dose de grávidas que tomaram AstraZeneca
VACINAÇÃO

Ministério da Saúde autoriza uso da Pfizer para 2ª dose de grávidas que tomaram AstraZeneca

Covid-19: Brasil tem 19.632.443 casos e 548.340 mortes
Pandemia

Covid-19: Brasil tem 19.632.443 casos e 548.340 mortes